Obesidade oculta: você sabe o que é?

Se você está preocupado com a obesidade oculta, separamos algumas dicas para você se livrar desse problema

Obesidade oculta: você sabe o que é?

Seus braços e pernas são magros, mas o abdômen está “saltando para fora”? Você parece magro mas está flácido? Pessoas com essas características podem estar com “obesidade oculta”.

Existem muitas pessoas, principalmente mulheres, com obesidade oculta apesar de ter o peso considerado normal. Aparentemente, isso pode não incomodar, porém interferem negativamente na saúde.

O que é “obesidade oculta”?

Segundo Takuro Mori, CEO e Personal Training do Studio Rinato, em Tóquio, “A obesidade oculta é uma condição em que o percentual de gordura corporal ultrapassa 30%, embora o IMC esteja dentro do valor padrão”.

O que coloca em questão a “obesidade oculta” é que a quantidade de massa muscular é muito baixa e a gordura corporal é alta. Então, avaliar somente o peso na balança pode ser um equívoco, pois a obesidade oculta não está relacionada ao peso, por isso grande parte das pessoas que são “falsos magros” não sabem disso e se consideram magros.

Verificação de “obesidade oculta”. O que fazer?

A forma mais fácil e acessível para ter um diagnóstico do valor do percentual de gordura corporal em relação ao peso é fazendo uma avaliação física com um profissional de Educação Física. Além disso, existem auto-observações que podem ser feitas:

A parte inferior do abdômen é volumosa apesar dos braços e pernas serem finos;

A prática de dietas extremas;

A falta de exercícios;

O consumo frequente de doces e álcool.

Caso ocorra alguns dos itens citados acima existe uma grande probabilidade de obesidade oculta.

A obesidade oculta tende a acumular gordura visceral, formando uma “barriguinha”, o que leva muitas pessoas às dietas radicais. Isso é mais frequente no público feminino, mas há casos de homens também, que chegam a passar fome na tentativa de eliminar a gordura abdominal.

O problema é que fazendo uma dieta radical há a perda de músculos em vez de gordura corporal. O peso na balança reduz, mas a gordura permanece. E quando isso se repete, a tendência é a obesidade cada vez mais escondida.

Riscos para saúde

Devido à falta de massa muscular, o enfraquecimento do corpo é percebido principalmente por dores nas costas, nos joelhos e ombros, má postura, cansaço fácil e desequilíbrio hormonal – nas mulheres, a menstruação é comumente afetada, pois a quantidade músculos e taxas de gorduras estão relacionadas também aos hormônios.

Outro ponto importante para se atentar é o processo de envelhecimento. A medida que o tempo passa, naturalmente a construção de músculos se torna mais difícil, por isso melhorar a condição muscular precisa ser feita o quanto antes.

Os “falsos magros” também tem uma tendência ao desenvolvimento de diabetes, pois como o açúcar é processado principalmente pelos músculos, essa decomposição será afetada se a massa muscular for pouca.

Como sair do quadro de obesidade oculta?

No geral, alimentação e treinamento físico não são prioridades para quem é aparentemente magro. No entanto, a obesidade oculta afeta a saúde. Para melhorar isso, é necessária, basicamente uma dieta equilibrada em nutrientes e calorias, e exercícios adequados ao nível de condicionamento físico individual, os quais devem ir progredindo gradativamente.

Caso não tenha os hábitos de exercício e alimentação saudável, comece buscando informações de qualidades e profissionais para auxiliar nesse processo.

Yumi Saito

Fundadora de YUMI SAITO SPORTS LIFE & CONSULTORIA, é professora de Educação física, especializada em educação especial. Tem 11 anos de experiência em treinamento de grupos especiais e educação física escolar.

Deixe uma resposta

Leia mais posts relacionados