Dor lombar persistente: uma solução

Dor lombar persistente: uma solução

Uma das soluções para a dor que incomoda tanta gente pode ser a prática de exercícios de alta intensidade, desde que bem orientados

A dor lombar, ou lombalgia, é uma das principais reclamações das pessoas, que chegam a conviver com ela durante anos e anos. Cerca de 90% dos pacientes que reportam lombalgia não tem um diagnóstico específico relacionado a alguma patologia. Simplesmente dói. Uma hipótese é que essas dores sejam devido à rotina da pessoa.

As principais recomendações das diretrizes atuais para melhorar a dor lombar são as intervenções sem remédios, como fisioterapia e exercícios físicos. Estes, em geral, podem melhorar a dor e a função em pessoas com dores lombares persistentes sem causa específica.

Nesses casos, tem sido sugerido que o treinamento de resistência (com algum peso) combinado com o treinamento de flexibilidade pode ser especialmente benéfico em comparação com os exercícios aeróbicos, como por exemplo a caminhada e a corrida, e tratamentos passivos, que são os que o paciente recebe o tratamento sem se movimentar.

Você pode estar se perguntando: “Exercício “pesado” para quem tem dor lombar?”

Sim! Uma revisão sistemática de 2012 concluiu que o treinamento com intensidade alta pode ser mais eficaz do que treinar com intensidades baixas. Além disso, o estudo ressaltou que esse tipo de treinamento é bem tolerado por indivíduos com lombalgia e não aumenta o risco de lesões se for aumentado gradualmente e realizado de forma periodizada.

O que é periodização?

É estruturar sistematicamente a frequência dos exercícios a serem executados, a quantidade de exercícios, os pesos a serem utilizados, o tempo de descanso, entre outras variáveis. Isso é recomendado para pessoas saudáveis a fim de otimizar os ganhos e reduzir os riscos de lesões e overtraining (se exercitar demais e ter perdas).

Pouco se sabe sobre a influência da periodização dos exercícios sobre as pessoas que sofrem de lombalgia, porém alguns estudos indicam que dessa forma há eficácia na redução da dor, assim como na melhora da função.

A literatura atual indica que a intervenção de exercícios que usam o corpo inteiro é mais eficaz que os específicos para os músculos do tronco. Exercícios que incorporam padrões de movimentos funcionais – do dia a dia- com pesos livres podem ser mais benéficos para aqueles que têm dor lombar. Isso foi investigado em uma recente pesquisa de Tjøsvoll, Svein O et al. “Periodized resistance training for persistent non-specific low back pain: a mixed methods feasibility study.”, na qual foi aplicado treinamento periodizado por 16 semanas em pessoas de 22 a 65 anos com lombalgia.

Os resultados obtidos por meio do programa de exercícios periodizado foram a melhoria da dor, do funcionamento diário – as atividades da vida cotidiana se tornaram mais fáceis do que antes -, do nível de energia e sono, bem como mudanças de opiniões sobre atividade e física e treinamento.

Os mecanismos que resultam em uma redução clínica significativa na dor lombar e melhora na incapacidade relacionada à dor e a auto eficácia da dor é provavelmente multifatorial. Os participantes do estudo vivenciaram uma fase de familiarização e supervisão dos exercícios por um profissional competente, o que é muito importante, reduzindo o medo de atividades físicas e exercícios com pesos, em particular.

Em resumo, um programa de treinamento de resistência periodizado, começando com cargas leves e evoluindo para mais pesadas, exercícios para o corpo inteiro e a supervisão de um profissional competente impactam de maneira positiva na melhoria da dor lombar sem causa específica.

Fundadora de YUMI SAITO SPORTS LIFE & CONSULTORIA, é professora de Educação física, especializada em educação especial. Tem 11 anos de experiência em treinamento de grupos especiais e educação física escolar.

Veja o perfil completo de Yumi Saito