Ministério do Meio Ambiente do Japão quer proibir talheres plásticos gratuitos

No ano passado, uma proibição nacional de distribuição de sacolas plásticas gratuitas foi implementada em lojas de conveniência, supermercados e restaurantes, sendo cobrada uma taxa adicional

Ministério do Meio Ambiente do Japão quer proibir talheres plásticos gratuitos

A mudança encontrou resistência, mas em menos de um ano, o uso de sacolas plásticas despencou e as sacolas ecológicas dispararam para mais de 70%. Dando um passo adiante, a cidade de Kameoka, na província de Quioto, proibiu as lojas de oferecer sacolas plásticas, tanto gratuitas quanto pagas, em janeiro deste ano.

É uma melhoria considerável, mas o problema geral do plástico permanece. Por isso, o Ministério do Meio Ambiente elaborou uma nova lei que visa proibir a distribuição gratuita de garfos e colheres de plástico por lojas de conveniência e outros estabelecimentos. Este projeto, apresentado pelo gabinete no dia 9 de março, deve entrar em vigor em abril de 2022 se for aprovado pela Dieta e punirá lojas que distribuírem talheres plásticos gratuitos em até 500.000 ienes. O Ministro do Meio Ambiente, Shinjiro Koizumi, declarou que “a partir de então, os talheres não serão distribuídos de graça. Esta é uma versão avançada da cobrança para sacolas plásticas”.

Muito parecido com os sacos de plástico, as colheres não serão proibidas na maior parte; em vez disso, uma cobrança de cerca de cinco ienes será aplicada àqueles que realmente desejam um. Ainda assim, sem talheres de plástico grátis, as lojas de conveniência japonesas terão uma redução em termos de serviços agregados ao cliente.