A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura

Dívidas, insegurança e uma tentativa de esfaqueamento … Sinceramente, esse anime me assusta

A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura

No final de agosto do ano passado, a Netflix lançou a terceira temporada de sua série de sucesso Aggretsuko, que narra a vida diária de uma panda vermelha de 25 anos que canta death metal no karaokê para se livrar das preocupações do trabalho.

O show é fofo, espirituoso, e fácil de se apaixonar, além do que, muitos se identificam com a personagem principal (ou com alguns outros). E apesar de tudo isso, também está muito obscuro. Com base nas temporadas anteriores, os capítulos mais recentes investigam ainda mais a psique de nossa heroína, e nem sempre é um lugar confortável para se estar.

(Contém Spoilers)

Aggretsuko

Na primeira temporada, Retsuko sonha em se casar para escapar de seu chefe machista e com mão de ferro, um porco literal chamado Ton. No final, Retsuko e Ton começam a concordar, e ela decide manter seu trabalho ao invés de se contentar com um relacionamento menos que perfeito.

A 2ª temporada desenvolveu ainda mais o conflito no cerne do personagem de Retsuko. Tentar viver de acordo com as normas sociais – o que um adulto deve ser e o que uma mulher deve ser – quase apagou sua identidade. Seu namorado du jour, um magnata da tecnologia chamado Tadano, oferece uma visão contrastante de uma vida não limitada pelas regras da sociedade, mas no final, Retsuko termina com ele e retorna obedientemente ao escritório.

A essa altura, já podíamos começar a ver um padrão.

Comédias como Aggretsuko têm um conservadorismo inerente. Está embutido em sua estrutura – as normas sociais são questionadas e transgredidas ao longo da história, mas quase sempre são restauradas no final. O final aparentemente feliz de cada temporada, que mostra infalivelmente Retsuko retornando à empresa da qual ela estava tentando escapar, é sempre um tanto perturbador precisamente por esse motivo.

O que pode parecer apenas uma convenção de gênero é o que torna o programa tão realista. Suas contradições refletem as dores de crescimento de uma cultura de trabalho presa entre a tradição e a mudança, com jovens de 20 e poucos anos como Retsuko no meio.

A 3ª temporada permanece fiel aos temas e estrutura agora familiares de Aggretsuko, mas leva nossa heroína desolada para um lugar mais sombrio do que nunca.

Tudo sobre as “Idols” – ou não?

A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura 1

A temporada mais recente de Aggretsuko começa com as personagens todas alvoroçadas sobre lutas paralelas. Uma delas está embolsando algum dinheiro extra com a publicação de um livro de receitas, outra está “se divertindo e descobrindo seu potencial” por meio do desenvolvimento de um aplicativo de namoro. Retsuko, mais uma vez, se sente inadequada. “Não tenho habilidades ou energia para isso”, diz ela.

Além do mais, ela está se endividando devido a um namorado de Realidade Virtual. Então, precisamente quando o dinheiro está mais apertado, Retsuko se mete em confusão com um irritadiço produtor de idols chamado Hyodo. Usando seu problema de dinheiro como alavanca, ele pressiona Retsuko a se tornar a contadora de seu grupo de ídolos, as OTMGirls (elas têm um site IRL para fins de merchandising). No início, a agitação lateral envolve tanto bullying no local de trabalho quanto o trabalho de Retsuko no escritório, completo com abuso verbal e pequenas tarefas ingratas.

Depois que Hyodo descobre o talento de Retsuko para o death metal, ele a manipula para assumir os vocais do grupo. No início, Retsuko contesta que não tem interesse em cantar na frente dos outros. Ao longo de duas temporadas e meia, nunca foi mostrado ao público que Retsuko deseja ser uma artista profissional, nem mesmo em suas fantasias mais loucas.

Então, o que o show das idols realmente significa?

Um grito por validação externa

Apesar do começo difícil, em pouco tempo Retsuko começa a achar que seu lado agitado é satisfatório.

A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura 2

Ela desenvolve a síndrome de Estocolmo – quero dizer, uma amizade com as OTMGirls porque elas a fazem se sentir única e apreciada, contradizendo a vozinha impulsionada pela empresa dizendo que ela é branda e facilmente substituível. As OTMGirls só começam a ganhar dinheiro depois que Retsuko assume o controle de seu plano de negócios, e seu talento para death metal permite que elas se destaquem dos concorrentes. É a antítese de como ela se sente no escritório.

Em uma cena, Hyodo pressiona Retsuko sobre por que ela é uma idol (ele não está satisfeito com “Porque você me forçou a ser uma”). Mas Retsuko não tem uma resposta. Na realidade, ela não quer necessariamente ter sucesso como musicista, ela só quer se sentir validada.

A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura 3

O que é assustador, e o que a série faz de maneira brilhante, é que você corre o risco de concordar com o fã fanático que tenta acertar Retsuko com um estilete no episódio final da temporada. Se for seu caso, considere-se suficientemente assustado.

O senso de autoestima de Retsuko, frágil para começar, atinge um novo nível após o ataque. Em uma sequência de sonhos, ela se imagina na frente de um público hostil e pensa: “Não é meu lugar. Este tipo de mundo … eu não aguento. ”

Mas Retsuko se afasta do vazio. Isso é uma comédia, lembre-se! Ela abandona o OTMGirls e retorna ao escritório, sua incursão no mundo das idols tendo ensinado algo inexplicável a ela: “Podemos ser o que quisermos.” A proclamação parece repentina e um pouco bidimensional. Eu acho que é para ser.

Tocando levemente em tópicos pesados

Como a série fez no passado, a terceira temporada de Aggretsuko traz à tona questões sérias da vida real sem realmente se envolver com seus horrores. (Lembra do Tadano, o overlord de tecnologia mais frio de todos os tempos?)

Quando o violento fã de OTMGirls apareceu pela primeira vez, eu esperava que Retsuko fosse à polícia, apenas para ser informada de que não havia nada que eles pudessem fazer. Foi o que aconteceu com a idol Mayu Tomita, que foi posteriormente atacada por seu perseguidor. Mas o programa evitou apontar que a aplicação da lei do Japão muitas vezes falha em proteger as mulheres.

A temporada 3 de Aggretsuko está ainda mais obscura 4

Por um instante, Retsuko também parecia perigosamente perto de contemplar o suicídio no clímax da temporada. Seria tópico: as mortes amplamente relatadas de Hana Kimura, de Terrace House, e das celebridades sul-coreanas Sulli e Goo Hara são apenas alguns exemplos de suicídio vinculado a abuso online. Mas, novamente, Aggretsuko não vai por aí.

E novamente, não precisa. As alusões são poderosas o suficiente.

Aggretsuko combina magistralmente meio e mensagem. Seus personagens fofinhos, ritmo rápido e expressões exageradas permitem que ela faça o que todos nós fazemos quando nos deparamos com um pequeno pavor existencial: tentar não pensar muito sobre isso. E talvez ir ao karaokê e gritar.

A terceira temporada do Aggretsuko está disponível na Netflix agora.

Takara Stefens

Takara Stefens é Gaúcho de nascimento, alma e coração, cidadão do mundo por opção. É pai, professor, escritor, amante da vida e de tudo que é belo. Também escreve lá no Nihon Daisuki Tchê. Acompanhe nas mídias sociais através dos links acima (ou abaixo)!

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *