Parte da série Coronavírus, em 325 posts

Estado de Emergência é estendido até 7 de março

A pressão nos hospitais fez o governo prorrogar o Estado de Emergência

Estado de Emergência é estendido até 7 de março

O governo japonês estendeu nesta terça-feira o Estado de Emergência, que cobre Tóquio e outras regiões por mais um mês, até o dia 7 de março, já que os hospitais continuam sob pressão, apesar do declínio dos casos de coronavírus.

O Estado de Emergência permanecerá em 10 províncias, incluindo Osaka, Aichi e Fukuoka, disse o primeiro-ministro Yoshihide Suga em uma reunião da força-tarefa COVID-19 do governo. Tochigi, ao norte da capital, será a única província a ter a emergência suspensa já no dia 7 de fevereiro, porque sua situação melhorou significativamente.

Sob o Estado de Emergência, as pessoas são instadas a evitar passeios desnecessários enquanto restaurantes e bares são solicitados a fechar mais cedo. As empresas são incentivadas a adotar o trabalho remoto e a participação em grandes eventos foi limitada.

“Graças às medidas e à cooperação do povo japonês, estamos começando a ver resultados claros”, disse Suga em uma entrevista coletiva. “Estamos pedindo a você que aguente um pouco mais para que possamos estabelecer com firmeza uma tendência de baixa nas infecções”.

Embora as medidas tenham sido menos rígidas do que o Estado de Emergência anterior na primavera passada, quando escolas foram fechadas em todo o país e algumas empresas foram informadas para fechar temporariamente, elas tiveram algum sucesso na redução do número de infecções.

Tóquio relatou 393 casos de coronavírus na segunda-feira, o menor número em mais de um mês e abaixo do pico de um único dia de 2447 marcado quando a emergência atual foi declarada em 7 de janeiro.

Suga disse que o Estado de Emergência será suspenso antes de 7 de março nas províncias que observam uma melhora significativa em vários indicadores-chave.

Uma referência para a saída precoce de Tóquio seriam as novas infecções diárias caindo para menos de 500, com outros fatores incluindo a disponibilidade de leitos hospitalares. Na terça-feira, a capital registrou mais 556 casos.

Os vizinhos Kanagawa, Chiba e Saitama, bem como as prefeituras de Aichi, Gifu, Osaka, Quioto, Hyogo e Fukuoka permanecerão em Estado de Emergência com base em uma lei de medidas especiais destinadas a conter infecções. Okinawa, que estava sendo considerada para inclusão devido a surtos em algumas ilhas remotas, foi deixada de fora.

Suga, que viu seu apoio público diminuir em meio às críticas de que sua resposta à pandemia foi lenta, está lutando para conter o coronavírus a tempo para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio neste verão.

Questionado por um repórter se os jogos poderiam ser realizados sem espectadores, o primeiro-ministro disse que garantir um evento “seguro e protegido” é a principal prioridade, sem dar detalhes.

Os hospitais estão enfrentando dificuldades, pois o número de pacientes com COVID-19 em estado grave e as mortes atribuídas à doença permanecem perto dos níveis máximos, com especialistas em saúde alertando que levará algum tempo até que a situação melhore.

O número de mortos em todo o país foi de 119 na terça-feira, o maior em um único dia. O número de casos de coronavírus no país foi de 2324, com o Ministério da Saúde estimando o número de pacientes em estado grave em 937.

O Japão também está atrás de outros países, como os Estados Unidos, no lançamento de vacinas. Suga disse que o governo pretende começar a inocular trabalhadores de saúde em meados de fevereiro, antes de sua meta anterior no final de fevereiro.

Na terça-feira, legisladores da oposição criticaram Suga por não cumprir sua promessa de controlar o vírus até a data de término inicial do Estado de Emergência, o dia 7 de fevereiro.

“Precisamos de uma explicação clara do primeiro-ministro por que não pôde ser retirado em um mês e que medidas o governo planeja tomar no próximo mês”, disse Tetsuro Fukuyama, secretário-geral do principal partido de oposição, o Partido Democrático Constitucional do Japão, disse a repórteres.

No início do dia no parlamento, Suga disse que lamentava que quatro membros da coalizão governante tivessem visitado bares no exuberante distrito de Ginza, em Tóquio, apesar do apelo do governo para que as pessoas ficassem em casa.

Suga declarou Estado de Emergência na área metropolitana de Tóquio no dia 7 de janeiro e o expandiu para as outras províncias no dia 13 de janeiro. Ao contrário de outros países que impuseram bloqueios rígidos, o Japão não tem base legal no momento para punir os infratores.

Para adicionar força às suas medidas, o governo propôs uma legislação que introduza multas para os pacientes do COVID-19 que se recusam a ser hospitalizados, bem como restaurantes e bares que ignoram as ordens de fechar mais cedo.

As revisões da lei de medidas especiais contra o coronavírus e da lei de doenças infecciosas foram aprovadas pela Câmara dos Representantes na segunda-feira e devem ser promulgadas na quarta-feira após a aprovação pela Câmara dos Conselheiros.