Mutação no coronavírus levanta dúvidas sobre as vacinas

As mutações estão preocupando os cientistas envolvidos no desenvolvimento das vacinas, que correm contra o tempo para criar a resposta adequada na luta contra a pandemia

Mutação no coronavírus levanta dúvidas sobre as vacinas

Como a variante do coronavírus britânico ocupa os planos pandêmicos dos países devido à sua maior transmissibilidade, outras mutações no Sars-CoV-2 estão causando preocupação entre os cientistas que estão lutando para descobrir se ainda responderão às vacinas.

Em particular, uma mutação, conhecida como E484K, detectada inicialmente na África do Sul e em variantes subsequentes no Brasil e no Japão, gerou alarme entre os pesquisadores.

Ravi Gupta, professor de microbiologia da Universidade de Cambridge, disse que é essa mutação – e não a variante britânica muito conhecida – que é “a mais preocupante de todas”.

Embora a pesquisa sobre a nova variante seja limitada, um estudo brasileiro este mês analisou um paciente que havia se recuperado do COVID-19 e foi reinfectado com a nova cepa mutada.

O artigo ainda não foi revisado por pares, mas os autores descobriram que a mutação E484K poderia estar “associada ao escape de anticorpos neutralizantes” – o que significa que poderia contornar a memória de defesa natural do corpo que confere imunidade.

À medida que os países aceleram seus programas de vacinação, existe a preocupação de que a nova mutação possa tornar algumas vacinas menos eficazes.

A vacina Pfizer e Moderna, por exemplo, usa tecnologia de mRNA para fornecer instruções ao corpo para produzir uma proteína de pico de coronavírus inofensiva, que o sistema imunológico aprende a matar em antecipação a uma infecção genuína.

Com o E484K, assim como com a variante britânica, a mutação ocorre na proteína spike do vírus, o que permite que ele se ligue mais facilmente aos receptores de células humanas, potencialmente aumentando sua infecciosidade.

Gupta disse que a mutação “pode ​​ser o início dos problemas para as vacinas de pico. Todos devem ser eficazes no momento, mas nos preocupamos com a ocorrência de novas mutações em cima desses”, disse ele à AFP.

A Pfizer e a parceira alemã BioNTech disseram na semana passada que sua vacina foi eficaz contra a mutação N501Y encontrada na variante do vírus britânico, conhecida como B117.

Francois Balloux, professor de Biologia de Sistemas Computacionais e Diretor do Instituto de Genética da University College London, disse ser improvável que a variante sul-africana tenha sofrido mutação suficiente para “contornar a proteção fornecida pelas vacinas atuais”.

Mas, ele alertou: “A mutação E484K mostrou reduzir o reconhecimento de anticorpos. Como tal, ajuda o vírus Sars-CoV-2 a contornar a proteção imunológica fornecida por infecção ou vacinação anterior”, disse Balloux.

Houve várias mutações no novo coronavírus desde seu surgimento no final de 2019, e a maioria teve um efeito insignificante em sua transmissibilidade ou gravidade. Mas a variante britânica mostrou em vários estudos ser até 70% mais infecciosa do que as cepas normais de vírus. E a variante sul-africana parece ser mais eficaz em evitar a resposta natural do corpo.

Um estudo pré-impresso em dezembro concluiu que as duas novas variantes mostram que o Sars-CoV-2 “tem o potencial de escapar de uma resposta imune eficaz”. Os pesquisadores estudaram o que aconteceu ao vírus quando foi deixado em contato com o plasma retirado de um paciente que se recuperou do Covid-19. Em três meses, o vírus havia assumido várias mutações, incluindo E484K.

Os autores sugeriram que “vacinas e anticorpos capazes de controlar as variantes emergentes devem ser desenvolvidos.”

O pesquisador principal Rino Rappuoli, imunologista da gigante farmacêutica GlaxoSmithKline, disse à AFP que as atuais mutações da proteína de pico não devem representar um problema para as vacinas existentes.

E mesmo que o vírus sofra uma mutação para evitar melhor a resposta imune, as vacinas devem conferir pelo menos algum nível de imunidade eficaz.

“Mesmo se você diminuir a eficácia, ainda haveria alguma neutralização do vírus”, disse Vincent Enouf, do Instituto Pasteur de Paris, à AFP.

Para estar do lado seguro, Gupta defendeu um programa de vacinação acelerado, conferindo tanta imunidade quanto as vacinas atuais podem fornecer “o mais rápido possível em todo o mundo.”