Para alguns brasileiros, trabalhar em fazendas é melhor que em fábricas

Para alguns brasileiros, trabalhar em fazendas é melhor que em fábricas

Para alguns brasileiros, trabalhar no campo é muito mais agradável do que a vida de operário fabril

O brasileiro Minoru Motomatsu tem se esforçado para sobreviver com seus negócios agrícolas aqui, e sua última colheita foi devastada pela geada. Mas o trabalho é muito mais agradável do que o trabalho de fábrica, o mais bem remunerado que ele já fez, disse Motomatsu, disse o nissei.

Motomatsu e seu gosto pela agricultura podem representar uma fonte inexplorada de mão de obra para as fazendas, que cada vez ficam mais desertas no Japão.

“Muitos brasileiros estão interessados ​​na agricultura”, disse Kumiko Sakamoto, diretor da Aidensha, uma organização sem fins lucrativos com sede em Suzuka, na província de Mie, que apoia estrangeiros.

“Eles podem ajudar a suprir a falta de agricultores, embora ainda haja coisas a serem superadas, como obter uma renda estável e emprestar terras agrícolas”. Sakamoto já morou no Brasil.

Motomatsu, de 71 anos de idade, deixou o país há cerca de 30 anos para trabalhar em fábricas no Japão como um migrante dekasegi.

Para alguns brasileiros, trabalhar em fazendas é melhor que em fábricas 1
Foto: Shino Matsuyama

Com a situação econômica no Brasil instável na época, a Motomatsu decidiu vir ao Japão, após a Lei de Controle de Imigração e Reconhecimento de Refugiados em 1989 ter sido revisada, o que facilitou a entrada de descendentes japoneses e permitiu que eles trabalhassem como um dos muitos trabalhadores não qualificados que vieram ao país.

Motomatsu veio para o Japão sozinho, deixando sua esposa e seus quatro filhos no Brasil. Ele trabalhou em uma fábrica de autopeças em Hamamatsu, na província de Shizuoka e em fábricas de Yokohama, Seki e Gifu.

“O salário era bom”, lembrou. “Mas foi um trabalho físico pesado, e eu tinha que ficar o dia inteiro.” Depois de oito anos, ele conseguiu trazer sua família para o Japão.

Há cerca de 10 anos, ele deixou o trabalho na fábrica e começou a cultivar vegetais sul-americanos em sua fazenda em Minokamo, na província de Gifu. Muitos brasileiros moram na cidade e Motomatsu entrega seus produtos na região de Tokai.

Ele usa o Facebook para promover vendas, publicando comentários como: “Olá, venderei mandioca no sábado”.

Alguns clientes perguntam quantos quilos de vegetais estarão disponíveis. Os anúncios de seus produtos chegam a diversas partes do Japão. Ele até já recebeu pedidos para Iwakura, na província de Aichi. Ele entrega seus vegetais dentro e fora de Gifu, com um mini caminhão.

Ele lista as áreas de entrega e os legumes que planeja vender, como mandioca, beterraba e alface.

Para alguns brasileiros, trabalhar em fazendas é melhor que em fábricas 2
Foto: Shino Matsuyama

Durante o período de colheita no início do verão e outono, os clientes visitam a fazenda da Motomatsu para fazer compras. Cerca de 20 brasileiros compram regularmente os legumes da Motomatsu.

“Seus vegetais são frescos e suas cores são lindas.”, Disse Victoria Shimazu, 62 anos, nipo-peruana de terceira geração que vive em Toki, na província de Gifu. “Eles são os mesmos que compro no meu país”.

Motomatsu se concentra em vegetais cultivados organicamente, mas suas vendas anuais são de apenas 1,5 milhão de ienes. “Não posso ganhar muito dinheiro, mas gosto”, disse ele. “Trabalhar em fábricas foi muito difícil.”

Outro benefício de seu trabalho agrícola é como ele desenvolveu um senso de comunidade. Motomatsu às vezes realiza churrascos em sua casa e oferece vegetais recém-colhidos para seus amigos, que também trabalham na indústria agrícola.

Nascido e criado em São Paulo, Motomatsu aprendeu sobre a agricultura com seus pais, que haviam cultivado arroz na província de Kumamoto antes de migrar para o Brasil durante a Guerra do Pacífico.

O cultivo de vegetais de Motomatsu começou com um jardim familiar perto de seu apartamento em Minokamo. Ele queria dar aos membros de sua família um gostinho do Brasil, para que não esquecessem suas raízes.

Para alguns brasileiros, trabalhar em fazendas é melhor que em fábricas 3
Foto: Shino Matsuyama

Ele agora aluga 2 hectares de terras e trabalha à terra com sua esposa, uma descendente japonesa de 60 anos que Motomatsu chama de Okkaa (mãe). Mas o casal passou por dificuldades.

“Não posso me sair bem este ano”, disse Motomatsu em frente à sua safra de mandioca em dezembro. A geada havia escurecido o interior das raízes, e ele não conseguiu vendê-las.

No entanto, Motomatsu disse que continuará com seu trabalho: “Quero que os estrangeiros no Japão lembrem os gostos de sua cidade natal e trabalhem duro”.

Os estrangeiros serão os novos agricultores

De acordo com o ministério agrícola, o número de trabalhadores estrangeiros no setor agrícola quase dobrou em cinco anos, para 31 mil no final de outubro de 2018. Entre eles, cerca de 90% eram estagiários técnicos estrangeiros.

O visto de habilidades especificado, que entrou em vigor em abril de 2019, deve aumentar o número de trabalhadores estrangeiros em fazendas.

Enquanto isso, muitos brasileiros como Motomatsu, que chegaram ao Japão como trabalhadores migrantes dekasegi, também se voltaram para a agricultura nos anos avançados.

O potencial vem agrícola vem do Brasil

As famílias que vivem nos subúrbios de São Paulo tendem a ter pequenas fazendas, e muitos membros da família obtêm conhecimentos básicos sobre agricultura desde cedo.

Embora o número de trabalhadores estrangeiros em fazendas tenha aumentado no Japão, grupos da indústria agrícola estimaram que o país tinha cerca de 70 mil agricultores em 2017.

O governo japonês diz que os agricultores estrangeiros são necessários para manter e desenvolver a base de produção agrícola, à medida que a força de trabalho envelhece rapidamente.

Mas o governo não entendeu todo o quadro da força de trabalho agrícola estrangeira, exceto os estagiários técnicos estrangeiros.