COVID-19: o clima e o custo das medalhas de ouro da Olímpiada de 2021

O sentimento de aprovação e reprovação sobre a realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio durante a pandemia do COVID-19

COVID-19: o clima e o custo das medalhas de ouro da Olímpiada de 2021

Parte da série Coronavírus, em 354 posts

Parte da série Olimpíadas de Tóquio, em 51 posts

Após a abertura das Olimpíadas de Tóquio, repleta de muitas dificuldades devido ao COVID-19, a corrida pela medalha de ouro dos atletas japoneses levantou o ânimo de um público que permanece muito preocupado com a realização do evento esportivo multinacional em meio a um evento único: a pandemia do século.

No entanto, por trás do clima festivo, o número de casos diários de coronavírus está aumentando a uma taxa alarmante no Japão, onde apenas cerca de 28 % da população está totalmente imunizada e foi durante o evento que o país bateu o recorde na contagem nacional de um único dia de contaminados, chegando a 10.000 pela primeira vez.

Especialistas dizem que o estado de emergência do COVID-19 declarado para Tóquio em 12 de julho, dificilmente produziu o efeito desejado para conter a tendência de aumento, alertando que os hospitais já estão sob pressão cada vez maior.

“Não há dúvida de que cancelar as Olimpíadas é a maneira mais eficaz de reduzir o número de infecções, incluindo seu impacto psicológico”, dizia Kazuhiro Tateda, um especialista em doenças infecciosas que faz parte de um subcomitê do governo na resposta do COVID-19.

“Mas se isso não pode acontecer devido a um compromisso internacional e questões de confiança, o governo precisa tomar medidas mais fortes antes que seja tarde demais”, disse o professor da Universidade Toho.

Um panorama do COVID-19 no Japão durante os Jogos

Embora os casos COVID-19 recentes não tenham sido causados ​​pelo início das Olimpíadas, a atmosfera comemorativa que se seguiu depois que os Jogos finalmente começaram após um adiamento de um ano, o feriado de quatro dias até 25 de julho e a chegada da temporada de férias de verão, poderiam espalhar ainda mais o vírus, disse ele.

COVID-19

“Depois que as Olimpíadas começaram, fiquei comovido com a forma como os atletas estavam dando o melhor de si. Também percebi como os organizadores trabalharam duro para que essas Olimpíadas acontecessem”, disse Ritsuko Kakeuchi, que mora no bairro Koto de Tóquio.

Kakeuchi, que está na casa dos 70 anos, disse que achava que as Olimpíadas deveriam ser canceladas ou adiadas por causa da pandemia, mas agora ela está feliz que o treinamento dos atletas não foi para o lixo.

“Ao tomar medidas básicas, como usar máscaras, acho que é possível prevenir infecções, então acho que as Olimpíadas ficarão bem.”

Em um dia desses, perto do Estádio Nacional, principal local dos jogos, mais de 60 pessoas fizeram fila para tirar uma foto com um monumento dos cinco anéis olímpicos. Alguns usavam uniformes japoneses, enquanto outros seguravam toalhas com o logotipo olímpico.

Entre eles, um homem de 53 anos dirigiu por mais de uma hora para ver o estádio, embora ainda não tivesse certeza se a realização das Olimpíadas era a escolha certa.

“Não tenho certeza se posso ficar 100 % feliz quando um atleta ganha uma medalha de ouro, porque sei que há pessoas que estão passando por um momento difícil por causa do coronavírus”, disse ele, acrescentando que também está preocupado que as Olimpíadas possam desencadear um aumento nos casos de COVID-19, especialmente porque ele ainda não foi vacinado.

Como o governo viu os Jogos e o COVID-19

O primeiro-ministro Yoshihide Suga negou uma ligação entre as Olimpíadas em andamento e o aumento de casos COVID-19 na capital, citando várias medidas destinadas a prevenir a disseminação de infecções de atletas e funcionários que visitam os jogos para o público em geral.

Suga sempre descartou a possibilidade de cancelar as Olimpíadas, dizendo que “não há preocupação”, pois espera-se que as pessoas saiam menos.

Richard Budgett, diretor médico e científico do Comitê Olímpico Internacional, rejeitou a ideia de que as Olimpíadas tenham uma conexão com o recente aumento nas infecções, dizendo em uma coletiva de imprensa: “Os atletas da vila olímpica realmente vivem em um mundo paralelo.”

COVID-19

“Até onde eu sei, não houve um único caso de atleta circulando entre a população local, e nem um único caso grave ocorreu entre nossas partes interessadas”, disse ele.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, disse que ela e Suga compartilhavam a visão de que as Olimpíadas estão sendo realizadas “muito bem” devido a várias contramedidas do COVID-19.

Tal atitude por parte dos líderes políticos contrasta com o sentimento daqueles que atuam nas esferas médica e de saúde.

“Suspeito que o governo não está agindo proativamente para suprimir o número de infecções porque tem medo de ser criticado se pedir medidas durante as Olimpíadas”, disse Haruo Ozaki, chefe da Associação Médica de Tóquio.

As infecções entre pessoas na faixa dos 40 e 50 anos que não foram vacinadas estão aumentando, enquanto o número de pacientes que precisam de hospitalização também está aumentando. Especialistas médicos afirmam que o número de infecções continuará alto pelo menos nas próximas duas semanas.

“O sistema médico já começou a ficar mais tenso”, advertiu Shigeru Omi, principal conselheiro do COVID-19 de Suga.

Ele pediu repetidamente ao governo que “envie uma mensagem forte” que ajude a superar essa sensação de crise.

É muito cedo para ver como cerca de 10.000 atletas de mais de 200 países e regiões, bem como dezenas de milhares de funcionários e funcionários da mídia que participaram das Olimpíadas de Tóquio, impactando a tendência de infecção por coronavírus no Japão.

Embora a taxa de positividade entre as pessoas ligadas às Olimpíadas tenha sido muito baixa, permanecem as preocupações sobre falhas de segurança no sistema de “bolha” que visa mantê-los separados do público em geral.

O principal centro de imprensa no centro de convenções internacionais Tokyo Big Sight está lotado de jornalistas e fotógrafos de todo o mundo, com algumas pessoas não seguindo os protocolos de máscara.

Placas de acrílico foram colocadas entre os assentos, mas continua sendo um desafio observar o distanciamento físico.

“Existem tantos limites quando se trata de reportar. Não podemos ir à Vila Olímpica, não podemos encontrar as equipes por causa do COVID-19 ”, disse uma jornalista do Iêmen.

COVID-19

No entanto, ela disse que está “um pouco confusa” com a falta de restrições rígidas para proteger os jornalistas do vírus no centro de imprensa ou nos ônibus de transporte de mídia, que ela disse estarem lotados.

Yumi Saito

Fundadora de YUMI SAITO SPORTS LIFE & CONSULTORIA, é professora de Educação física, especializada em educação especial. Tem 11 anos de experiência em treinamento de grupos especiais e educação física escolar.

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *