Câncer: genética x estilo de vida

Câncer: genética x estilo de vida

Boa parte dos tipos de câncer podem ser prevenidos com um estilo de vida saudável, dieta balanceada e atividades físicas bem orientadas

No mês de outubro muito se falou sobre câncer, porém é um tema que precisa ser tratado durante o ano inteiro, tendo em vista que essa doença pode ser prevenida. Apenas de 5 a 10% de todos os casos de câncer podem ser atribuídos a defeitos genéticos, enquanto os 90–95% restantes têm suas raízes no meio ambiente e no estilo de vida.

Pertinente a isso, “Quanto antes melhor” foi a campanha de conscientização lançada pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) com o intuito de chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama. No entanto, essa atitude pode e deve ser tomada não só pelas mulheres, mas por todos, de crianças a idosos.

Leia mais em: As mudanças são para todos

Tabagismo, dieta com muita fritura e carne vermelha, álcool e obesidade são um dos principais  fatores que aumentam as chances de desenvolver o câncer. Essa é uma condição muito comum no dia a dia das pessoas, não é mesmo? Veja porque o “comum” precisa ser repensado.

Tabagismo

O tabaco contém pelo menos 50 agentes cancerígenos. O seu uso, aumenta o risco de desenvolver pelo menos 14 tipos de câncer e é responsável por cerca de 25% a 30% de todas as mortes por câncer e 87% das mortes por câncer de pulmão. Além disso, os efeitos cancerígenos do fumo não atingem somente quem é fumante, mas também aqueles que convivem com fumantes estão sob risco, foi o que documentou a Agência de Proteção Ambiental dos EUA, em 1993.

Álcool

Muitos estudos revelaram que o consumo crônico de álcool é um fator de risco para cânceres do trato aerodigestivo superior, incluindo câncer de cavidade oral, faringe, hipofaringe, laringe e esôfago, bem como para câncer de fígado, pâncreas, boca e mama.

No trato aerodigestivo superior, 25 a 68% dos cânceres são atribuíveis ao álcool, e até 80% desses tumores podem ser evitados pela abstinência de álcool e fumo. Além disso, a ingestão de mais de 50–70 g / dia de álcool é um fator de risco bem estabelecido para câncer de fígado e colorretal.

Dieta

O grau de contribuição da dieta para as mortes por câncer varia de acordo com o seu tipo. Por exemplo, a dieta está ligada a mortes por câncer em até 70% dos casos de câncer colorretal. Como a dieta contribui para o câncer não é totalmente compreendido, porém se sabe que a maioria dos carcinógenos ingeridos, como nitratos, nitrosaminas, pesticidas e dioxinas, vêm de certos alimentos, aditivos alimentares ou da forma de preparo.

O consumo excessivo de carne vermelha é um fator de risco para vários tipos de câncer, especialmente para os do trato gastrointestinal, mas também para colorretal, próstata, bexiga, mama, gástrico, pancreáticos e orais. Esse consumo é comumente considerado um risco de câncer pelas seguintes razões: As aminas heterocíclicas que são componentes químicos formados durante o preparo em altas temperaturas que dão aquele aspecto crocante à carne são cancerígenas; O cozimento a carvão e/ou a cura da carne por fumaça produzem compostos de carbono prejudiciais que têm um forte efeito cancerígeno. Além disso, a exposição a longo prazo a aditivos alimentares, como conservantes e corantes, tem sido associada à indução de carcinogêneos. E também o bisfenol de recipientes plásticos pode migrar para os alimentos e aumentar o risco de câncer, como o de mama e de próstata.

Obesidade

De acordo com um estudo da American Cancer Society, a obesidade está associada ao aumento da mortalidade por câncer de cólon, mama (em mulheres na pós-menopausa), endométrio, rins, esôfago, pâncreas, próstata , vesícula biliar e fígado. Devido ao aumento da modernização e uma dieta e estilo de vida ocidentalizados têm sido associados a um aumento da prevalência de pessoas com sobrepeso em muitos países em desenvolvimento. Diante disso, estudos têm mostrado que os denominadores comuns entre obesidade e câncer incluem neuroquímicos; desequilíbrio dos hormônios IGF-1, insulina, leptina; esteroides sexuais; adiposidade; resistência à insulina; e a inflamação gerada no organismo.

Qual a forma mais fácil de prevenir o câncer?

Dieta, obesidade e síndrome metabólica (que é a resistência à ação da insulina obrigando o pâncreas a produzir mais esse hormônio, doença resultante da obesidade, da alimentação inadequada e do sedentarismo) estão intimamente ligados a vários tipos de câncer e podem ser responsáveis ​​por até 30-35% das mortes por câncer, indicando que boa parte da mortalidade por câncer pode ser evitada com a modificação da dieta.

Pesquisas revelam que uma dieta composta de frutas, vegetais, especiarias e grãos tem o potencial de prevenir o câncer. As substâncias específicas desses alimentos são responsáveis ​​pela prevenção do câncer. Vários fitoquímicos foram identificados em frutas, vegetais, especiarias e grãos que exibem potencial preventivo.

Que alimentos são esses? Veja algum deles

As frutas e os vegetais. Maçã, damasco, banana, amora, cereja, frutas cítricas, tâmara, uva, goiaba, manga, mangostão, abacaxi , romã, alcachofra, abacate, couve de bruxelas,  brócolis, repolho, couve-flor,  cenoura,  nabo, cebola,  tomate , agrião, quiabo, batata, rabanete, , abobrinha, alface, espinafre, kabu e komatsuna (kabu e komatsuna são vegetais muito consumidos no Japão).

Dentre as especiarias e condimentos estão a cúrcuma, cardamomo,  coentro, pimenta do reino, cravo, erva-doce, alecrim, sementes de gergelim, mostarda, alho, gengibre, salsa, canela, cânfora, anis estrelado, pistache, nozes, amendoim, castanha de caju. E os cereais integrais incluem arroz, trigo, aveia, centeio, milho, feijão, soja, ervilha e outros.

Exercícios Físicos

Existem muitas evidências sugerindo que o exercício físico regular pode reduzir a incidência de vários tipos de câncer. Um estilo de vida sedentário tem sido associado à maioria das doenças crônicas. A inatividade física foi associada ao aumento do risco de câncer de mama, cólon, melanoma, próstata e pâncreas. 

O risco aumentado de câncer de mama entre mulheres sedentárias foi associado a uma concentração mais alta de estradiol, concentração mais baixa de globulina de ligação de hormônio, massas de gordura maiores e níveis mais elevados de insulina.

A inatividade física também pode aumentar o risco de câncer de cólon provavelmente devido a um aumento no tempo de trânsito gastrointestinal, aumentando assim a duração do contato com potenciais carcinógenos. Além disso, homens com baixo nível de atividade física e mulheres com IMC (índice de massa corporal) acima do normal eram mais propensos ao câncer de cólon.

Leia mais em: Magro sedentario ou obeso fit

Da mesma forma, níveis mais elevados de testosterona e IGF-1 no sangue e imunidade suprimida devido à falta de exercícios podem aumentar a incidência de câncer de próstata. E outro estudo indicou que homens sedentários tinham 56% e mulheres 72% mais incidência de melanoma do que aqueles que se exercitavam 5 a 7 dias por semana.

O básico bem feito

Portanto, a prevenção do câncer é simples e acessível para qualquer pessoa. Isso requer a cessação do tabagismo, aumento da ingestão de frutas, vegetais e grãos, consumo mínimo de carne vermelha, uso moderado de álcool, evitar a exposição direta ao sol, check-ups regulares e exercícios físicos, pois combate a obesidade, sedentarismo e atuam diretamente na melhora do sistema imunológico, responsável pela proteção do organismo.

Fundadora de YUMI SAITO SPORTS LIFE & CONSULTORIA, é professora de Educação física, especializada em educação especial. Tem 11 anos de experiência em treinamento de grupos especiais e educação física escolar.

Veja o perfil completo de Yumi Saito