“Proteger legalmente gays e lésbicas vai arruinar o distrito”, diz político de Tóquio

“Se formos falar sobre a proteção de gays e lésbicas por lei, meu distrito irá a ruína”, declarou o político, enfurecendo a assembleia da cidade

“Proteger legalmente gays e lésbicas vai arruinar o distrito”, diz político de Tóquio

Atualmente, não existe uma lei nacional protegendo a comunidade LGBT do Japão da discriminação. As leis relacionadas diretamente a gays e lésbicas dependem da cidade e da província: enquanto algumas delas reconheceram as uniões do mesmo sexo, outras aprovaram leis contra indivíduos que assumem a homossexualidade. No entanto, recentemente o reexame da falta de tal legislação ressurgiu quando um deputado de Tóquio afirmou que fornecer proteção legal a indivíduos LGBT teria consequências negativas em seu distrito.

Masateru Shiraishi, de 78 anos, um dos deputados que representam o distrito de Adachi, no noroeste de Tóquio, foi criticado por esta declaração: “Se formos falar sobre a proteção de lésbicas e gays por lei, meu distrito irá a ruína”. A motivação por trás de seu comentário vem de seu medo irracional e fanático de que, em suas próprias palavras, “Se todos os japoneses fossem lésbicas e gays, a próxima geração não nasceria”. É um raciocínio absurdo e mesquinho, para dizer o mínimo.

Os membros da assembleia de Masateru do distrito de Adachi não aceitaram seus comentários. Na verdade, o líder da assembleia, Akira Shikahama, deu um severo aviso a Masateru, pedindo-lhe que se desculpasse por seus comentários. No entanto, em vez de se desculpar por sua declaração anterior quando confrontado, Masateru optou por fazer um comentário ainda mais infeliz.

Ele continuou: “Mesmo se eu deixar alguém desconfortável, e daí?” Nas redes sociais do Japão, centenas de comentários apoiavam o líder da assembleia, Akira, e criticaram duramente a conduta de Masateru. Dias após, um pedido de desculpas foi postado no site da Assembleia da Cidade de Adachi: “Nós, como membros da assembleia representando o distrito de Adachi, pedimos desculpas formalmente pelos comentários inadequados que nosso colega, Masateru Shiraishi, fez durante a sessão da assembleia no dia 25 de setembro. Continuaremos a desenvolver nossos esforços para criar um distrito que apoie e defenda os direitos humanos de todos os membros da nossa comunidade”.