O Japão se esforça para lançar a campanha de vacinação, mas quantas pessoas tomarão a vacina?

Embora a maioria dos japoneses esteja disposta a tomar a vacina contra o coronavírus, o ceticismo ainda é profundo

O Japão se esforça para lançar a campanha de vacinação, mas quantas pessoas tomarão a vacina?
Desbravando o Japão

O governo está lutando para iniciar a vacinação contra o coronavírus já no final de fevereiro. Mas em um país onde muitas pessoas são céticas em relação às vacinas em geral, o Japão pode enfrentar um grande desafio ao tentar convencer as pessoas a tomar as vacinas mesmo quando elas estiverem disponíveis.

Há um consenso científico mundial de que as vacinas COVID-19 são altamente eficazes e que ajudarão a alcançar a imunidade coletiva – uma luz no fim do túnel.

Pesquisas mostraram recentemente que quase 70% dos japoneses estão dispostos a receber uma vacina contra o coronavírus. Mesmo assim, o ceticismo contra as vacinas está profundamente enraizado no país.

Em um estudo EBioMedicine de 2016 em 67 países, mostrou que 31% dos japoneses eram céticos quanto à segurança da vacina, ocupando o terceiro lugar depois da França (45,2%) e da Bósnia e Herzegovina (38,3%). A média global foi de 13%.

Enquanto as vacinas convencionais injetam uma forma enfraquecida ou inativada de um vírus vivo para desencadear uma resposta imune, as vacinas de RNA mensageiro (mRNA) desenvolvidas pelas firmas americanas Pfizer Inc. e Moderna Inc. não o fazem.

Uma vez injetado, o mRNA dá instruções para as células produzirem uma proteína spike encontrada na superfície do coronavírus, que o sistema imunológico reconhece e contra a qual produz anticorpos. No processo, o mRNA não entra no núcleo da célula, onde o DNA é guardado, e se decompõe logo após as instruções do mRNA, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

Céticos da vacina

Um pequeno grupo de médicos expressou preocupação sobre as vacinas de mRNA de última geração ou uma vacina que usa um DNA de fita dupla desenvolvida pela farmacêutica britânica AstraZeneca. Entre eles está o Dr. Masahiko Okada, professor emérito da Universidade de Niigata. Ele é a favor da vacina contra a gripe e de outras vacinas em geral, mas disse que não receberia uma vacina contra o coronavírus, citando possíveis efeitos colaterais que usam um pedaço do código genético à longo prazo.

“Houveram muitas mortes e casos de câncer relatados em relação à terapia genética”, disse Okada. “Quando um gene produzido artificialmente entra no corpo, não é possível prever em que parte dos genes ele será inserido. Pode ativar o gene responsável pelo câncer. O período de latência do câncer pode ser de cinco anos ou mais, então não há como saber se há um efeito colateral sério, a menos que seja monitorado por pelo menos cinco a 10 anos”.

Okada também disse que nutre desconfiança pela indústria farmacêutica, já que empresas ocidentais do setor têm um histórico de receber bilhões de dólares em penalidades punitivas por manipular dados ou promover a off-label de produtos médicos, entre outras coisas.

“O maior motivo pelo qual tenho dúvidas sobre a vacina contra o coronavírus é que não posso confiar nos dados anunciados pelas empresas farmacêuticas”, disse ele.

“Não sou um antivaxxer e procuro vacinas contra a gripe e o HPV. Só sou contra a vacina contra o coronavírus porque não vejo base científica (de segurança) ”, disse Okada, usando um termo para designar os que se opõem à vacinação.

Não está claro se as taxas de vacinação no Japão atingirão os 65% ou mais necessários para a imunidade do rebanho, permitindo assim que nossas vidas voltem ao normal novamente. Mas a resistência à vacinação entre franjas da população provavelmente veio para ficar por enquanto.

“É difícil prever a perspectiva do coronavírus, mas humanos e vírus sempre coexistiram nas últimas dezenas de milhões de anos”, disse Okada. “A taxa de mortalidade da gripe espanhola há um século era muito alta, mas desapareceu completamente em três anos. O que mais temo é que, embora as coisas possam voltar ao normal em alguns anos, podemos ter um cenário horrível em que os efeitos colaterais das vacinas permaneçam em todos os seres humanos”.

Consenso científico

O Dr. Kentaro Iwata, professor e chefe do departamento de doenças infecciosas do Hospital da Universidade de Kobe, descarta esses céticos quanto às vacinas, dizendo que não há controvérsia a respeito das vacinas em geral entre os especialistas em doenças infecciosas em todo o mundo e que a questão está resolvida há muito tempo.

“Os dados mostram boa eficácia e alta segurança”, disse Iwata. “Para conter a pandemia, evitar o contato humano é essencial, mas só isso não é suficiente. A vacina é a única virada de jogo, pois não há outra alternativa porque não existem medicamentos terapêuticos eficazes disponíveis”.

Mas o fato de ainda haver esse debate sobre segurança significa que o Japão está muito atrás de outros países no que diz respeito às vacinas em geral, acrescentou.

“O Japão teve um histórico negativo com vacinas nos últimos 30 anos, com o governo sem esforços suficientes para esclarecer o público”, disse ele. “A mídia de massa também é a culpada por enfatizar demais os riscos das vacinas e quase ignorar os benefícios trazidos por elas.

“Portanto, não é fácil mudar a mentalidade das pessoas de repente, mas se você olhar os dados, fica claro como o dia que é melhor ter as fotos”.

As preocupações com os efeitos colaterais são pequenas, embora o CDC dos EUA tenha detectado até agora 21 casos de reações alérgicas graves, ou anafilaxia, após as vacinações, a uma taxa de 11,1 casos por milhão de doses. Iwata está ciente das preocupações levantadas pelos céticos da vacina sobre quaisquer efeitos colaterais a longo prazo, mas diz que não adianta debater os efeitos colaterais que podem ou não se materializar em cinco ou dez anos, dadas as atitudes em relação a outros tratamentos médicos.

No Japão, os pacientes migram para novos medicamentos e alguns médicos dispensam novos medicamentos comercializados por empresas farmacêuticas, disse Iwata. Ele acrescentou, porém, que prioriza o uso de drogas usadas com sucesso nos últimos 30 a 40 anos.

“Os pacientes estão dispostos a tomar esses medicamentos todos os dias, sem questionar seu impacto na saúde daqui a 10 anos, enquanto de repente se preocupam com os efeitos colaterais de longo prazo no que diz respeito às vacinas. Isso, eu acho, é um padrão duplo”, disse ele.

“Se você tem alergia, deve ser criterioso ao receber as vacinas, mas as pessoas sem alergia teriam uma chance muito maior de obter os benefícios, pois os riscos são extremamente pequenos”.

Superar a pandemia de coronavírus dependerá de cada indivíduo ser vacinado para proteger outras pessoas, disse Iwata.

“Basicamente, não há outra solução para a crise do coronavírus do que reduzir o número de pacientes”, disse ele. “Mas esta mensagem não foi transmitida de forma eficaz. À medida que os casos aumentam, também aumenta o número de casos graves e mortes”.

Quando se trata de pandemia, não adianta discutir se o governo deve priorizar a contenção do vírus ou a manutenção da economia, afirmou.

“Conquistar o coronavírus vem antes de tudo”, disse Iwata. “Se você não gosta do bloqueio ou de outras medidas que restringem severamente nossa vida social, então o melhor seria tomar uma vacina. Esse seria o único remédio.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também