Japão vai suspender a proibição de entrada para a China e outras 8 nações

O ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, anunciou a redução da proibição dos avisos de viagem em uma entrevista coletiva, solicitando aos cidadãos que evitassem viagens não essenciais

Japão vai suspender a proibição de entrada para a  China e outras 8 nações

O Japão suspenderá a proibição de entrada de viajantes estrangeiros da China, Coreia do Sul, Taiwan e seis outros países já em novembro para chegadas de não-turistas, disseram autoridades governamentais, à medida que diminui gradualmente as restrições de viagens do COVID-19 em uma tentativa de reviver sua economia prejudicada. Austrália, Brunei, Nova Zelândia, Cingapura, Tailândia e Vietnã também serão retirados da lista de proibição de entrada, todos eles tendo em grande parte controlado seus surtos, disseram as autoridades.

É a primeira vez que o Japão suspende sua proibição de entrada em qualquer país ou região desde que começou a colocar partes da China, incluindo Wuhan, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez, na lista no início de fevereiro. Porém, o Japão continua suspendendo acordos de isenção de visto com outros países e limitando a emissão de novos vistos, o que significa que, na maioria dos casos, os turistas ainda não poderão visitar o país.

A decisão, tomada em uma reunião da força-tarefa de resposta ao coronavírus do governo presidida pelo primeiro-ministro Yoshihide Suga, foi anunciada depois que o Ministério das Relações Exteriores no início do dia reduziu seus avisos de viagem para os países, incluindo Taiwan, do Nível 3 para o Nível 2. Além disso, o Japão diminuiu a exigência de que cidadãos japoneses e residentes estrangeiros retornando de viagens ao exterior passem por um período de quarentena de 14 dias.

Suga disse que a medida visa facilitar a atividade empresarial, embora em escala limitada, acrescentando que seu governo “evitará um aumento explosivo nas infecções a todo custo”, ao mesmo tempo em que lidera a recuperação da terceira maior economia do mundo. Para ter direito à isenção, os viajantes que retornam precisarão que uma empresa ou organização assuma a responsabilidade por tomar medidas preventivas contra a propagação do coronavírus.