Cabanas do Monte Fuji vão limitar o número de alpinistas no próximo ano como medida de coronavírus

O governo da província de Shizuoka finalizará as medidas preventivas por volta de março de 2021, após conversar com o governo da província de Yamanashi e ouvir as opiniões dos alpinistas

Cabanas do Monte Fuji vão limitar o número de alpinistas no próximo ano como medida de coronavírus

O número de alpinistas aceitos como hóspedes durante a noite em cabanas no Monte Fuji será reduzido para evitar a propagação do coronavírus na temporada de escalada do próximo ano, de acordo com um relatório provisório divulgado pelo governo da província de Shizuoka, no Japão central.

A abertura oficial do pico mais alto do Japão, que abrange as províncias de Shizuoka e Yamanashi, foi cancelada este ano devido à pandemia do coronavírus. O governo da província apresentou o relatório durante uma reunião de revisão em 30 de outubro com cerca de 30 indivíduos representando grupos, incluindo um sindicato de operadores de cabanas, organizações de guias e operadores de empresas de transporte.

O relatório sugere que, quando os escaladores passam uma noite nas cabanas do Monte Fuji, eles são divididos em pequenos grupos, sendo divididos por placas de acrílico ou mantendo uma distância social de 2 metros entre cada grupo. Esta medida visa prevenir a propagação de infecções caso alguém em uma das cabanas teste positivo. Operadores de cabana irão revisar sua capacidade máxima de acordo.

Além disso, os escaladores terão suas temperaturas medidas nas quintas estações das rotas de Fujinomiya, Gotemba e Subashiri onde iniciam a trilha, bem como verificações de suas condições para ver se apresentam sintomas como tosse e cansaço. Eles serão aconselhados a não prosseguir com a escalada se registrarem uma temperatura corporal de pelo menos 1ºC acima de sua temperatura normal. Haverá também estacas preparadas para sinalizar distâncias de 2 metros.