Hiroshima quer fazer 800 mil testes gratuitos de coronavírus

O Governo da província de Hiroshima também reforçou suas medidas contra o vírus, pedindo a todos os restaurantes e bares da cidade, inclusive os que não servem bebidas alcoólicas, que fechem às 20h

Hiroshima quer fazer 800 mil testes gratuitos de coronavírus

O Governo da Província de Hiroshima, no oeste do Japão, disse que está considerando a realização de testes gratuitos para coronavírus em até 800 mil pessoas, na maior campanha desse tipo no país, enquanto luta para conter um recente aumento nas infecções. O teste voluntário de reação em cadeia da polimerase (PCR) terá como alvo todos os residentes e trabalhadores no centro da cidade de Hiroshima, onde a situação do vírus é considerada no Estágio 4, o pior nível na escala de quatro pontos do governo central.

A capital da província, com uma população de cerca de 1,2 milhão, viu recentemente uma disseminação explosiva de infecções por coronavírus. O total acumulado chega a 2900 casos na cidade. De acordo com a prefeitura, cerca de 600 mil pessoas residem nos bairros centrais da cidade de Naka, Higashi, Minami e Nishi, e estima-se que cerca de 100 a 200 mil pessoas trabalhem lá.

O governo de Hiroshima disse que agora está discutindo detalhes de como e quando realizar a campanha de teste do vírus, incluindo a expansão dos centros de teste de PCR e fornecimento de kits de teste pelo correio. Ele espera começar o mais rápido possível e concluir os testes até março, disse um funcionário do governo da província. Também está se preparando para garantir mais quartos de hotel para aqueles que apresentarem sintomas leves, com o número de pessoas confirmadas como positivas para o vírus tende a aumentar com o resultado dos testes em larga escala.

“Acredito que testes nessa quantidade raramente foram vistos (no Japão)”, disse um funcionário do governo da província de Hiroshima. “Dizem que o coronavírus é transmissível dois dias antes de desenvolver os sintomas, e alguns dos infectados não vão necessariamente às clínicas em tempo hábil. Queremos pegar essas pessoas e prevenir novas infecções.” O Japão conduziu uma média de 0,43 testes para cada 1000 pessoas por dia na semana até 12 de janeiro, de acordo com o tracker ligado a Oxford, Our World In Data. Isso se compara a 8,41 testes na Grã-Bretanha e 3,93 testes nos Estados Unidos.