Governo deve estender Estado de Emergência até 7 de março

A eficiência do atual Estado de Emergência é vista pelo Governo como o motivo para prorrogação por mais um mês

Governo deve estender Estado de Emergência até 7 de março
Desbravando o Japão

Parte da série Coronavírus, em 354 posts

O governo central planeja estender o Estado de Emergência cobrindo Tóquio e outras regiões que lutam para conter surtos de coronavírus por mais um mês, até o dia 7 de março, disse uma autoridade com conhecimento da situação na segunda-feira. O primeiro-ministro Yoshihide Suga disse que tomará uma decisão final sobre a extensão após ouvir um painel de especialistas na terça-feira.

“Os casos de coronavírus estão diminuindo, mas devemos permanecer vigilantes por mais algum tempo”, disse ele a repórteres depois de se reunir com membros de seu gabinete, incluindo Yasutoshi Nishimura, ministro responsável pela resposta ao COVID-19 do país, e a ministra da saúde Norihisa Tamura.

De acordo com o responsável, que falou sob condição de anonimato, as províncias de Tóquio e das vizinhas Kanagawa, Chiba e Saitama permanecerão em Estado de Emergência, assim como Aichi, Gifu, Osaka, Kyoto, Hyogo e Fukuoka. Já Tochigi, situada ao norte de Tóquio, será removida porque sua situação melhorou significativamente. A província de Okinawa, que estava sendo considerada para ser adicionada devido a surtos em ilhas remotas, será deixada de fora da lista, disse o funcionário.

As medidas atuais do Japão, que incluem encorajar as pessoas a trabalhar em casa, são muito menos rigorosas e aplicáveis ​​do que o bloqueio de alguns países europeus. Mas eles já causaram uma mudança radical, na visão dos economistas. Em vez de o ano começar com uma recuperação lenta, alguns deles agora veem uma contração de dois dígitos se aproximando. Toshihiro Nagahama, economista do Dai-Ichi Life Research Institute, vê uma emergência estendida por dois meses, acarretará na redução de cerca de 3 trilhões de ienes da economia.

Leia em Japan Times (Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também