Estimativa diz que 3,2% das crianças de 5 anos no Japão têm distúrbio do espectro do autismo

Estimativa diz que 3,2% das crianças de 5 anos no Japão têm distúrbio do espectro do autismo

É a primeira vez que a taxa estimada de prevalência de TEA entre crianças em idade escolar primária é revelada no país

Cerca de uma em cada 30 crianças com 5 anos de idade apresentou distúrbio do espectro do autismo (TEA) em um estudo realizado na província de Aomori, no norte do Japão. A descoberta foi feita por uma equipe de pesquisa liderada por Manabu Saito, professor associado de psiquiatria infantil e adolescente na Universidade Hirosaki, e publicado em uma revista acadêmica britânica.

O estudo foi realizado na cidade de Hirosaki, na província de Aomori, entre 2013 e 2016, em um total de 5.016 crianças, que fizeram exames médicos para crianças de 5 anos. A equipe distribuiu questionários aos responsáveis ​​e cuidadores perguntando sobre a extensão do desenvolvimento de seus filhos e obteve respostas de 3.954 pessoas. Entre eles, a equipe usou as diretrizes da Associação Psiquiátrica Americana para avaliar questões de desenvolvimento para examinar um total de 559 crianças, que haviam demonstrado uma inclinação para deficiências no desenvolvimento, incluindo TEA, ou cujos pais solicitaram um exame.

Como resultado, 87 crianças foram diagnosticadas com TEA. Ao considerar o número de crianças que, apesar de seus responsáveis ​​e cuidadores não terem respondido ao questionário, mostraram sinais potenciais de incapacidade no desenvolvimento durante exames médicos, estimou-se que 3,22% das crianças de 5 anos apresentavam TEA. Não houve diferenças distintas nas porcentagens de diagnósticos de TEA por ano. A equipe disse que a porcentagem de crianças de 5 anos com TEA em todo o país é considerada em número semelhante.

Das 87 crianças diagnosticadas com TEA, os responsáveis ​​por 28 crianças nunca foram informados de atrasos no seu desenvolvimento até os cinco anos de idade e não receberam nenhum apoio sistemático. Além disso, 88,5%, ou 77 crianças, tinham uma ou mais deficiências no desenvolvimento além do TEA, incluindo distúrbio de coordenação no desenvolvimento (63,2%), transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (50,6%) e distúrbio do desenvolvimento intelectual (36,8%).

O líder da equipe de pesquisa e professor associado Saito comentou: “As características únicas dessas crianças devem ser reconhecidas e um apoio completo deve ser estendido antes que elas entrem no ensino fundamental”.