Em projeto ambicioso, designer japonês quer permitir respiração humana embaixo d’água

Em 2100, está previsto um aumento de temperatura de 3,2ºC, causando um aumento no nível do mar que afetará de 500 milhões a três bilhões de pessoas

Em projeto ambicioso, designer japonês quer permitir respiração humana embaixo d’água

O designer japonês de biomimética Jun Kamei está trabalhando no projeto Amphibio, “uma roupa branquial para o nosso futuro aquático”, que o segundo o designer é um dispositivo de respiração subaquático proposto para apoiar a vida em “um futuro em que a humanidade viva muito perto da água.”

A roupa impressa em 3D (brânquias e máscara respiratória) foi projetada para funcionar como brânquias vestíveis para humanos, com tecnologia inspirada em insetos de mergulho aquático (que podem sobreviver debaixo d’água devido à fina camada de ar concentrada em sua pele super-hidrofóbica) e descrita por Kamei como “um material hidrofóbico poroso especial que suporta a respiração subaquática, reabastecendo o oxigênio da água circundante e dissipando o dióxido de carbono”, uma maneira de aspirar o ar da água.

O Amphibio é apresentado por Kamei como parte de sua tese de graduação no Royal College of Art de Londres (RCA), e o projeto é um esforço internacional de colaboração com o RCA-IIS Tokyo Design Lab. Enquanto o dispositivo ainda está no estágio de protótipo, Kamei diz que o próximo passo é testar o Amphibio para suportar o consumo de oxigênio em escala humana debaixo d’água. Embora exista um aspecto conceitual fantástico de fornecer uma alternativa otimista para navegar em um mundo submerso na água, o dispositivo pode ser equipado com um tanque de oxigênio menor do que o usado no mergulho livre para permitir que os mergulhadores fiquem debaixo d’água por mais tempo.

A artista Kathryn Strudwick fornece representações de um mundo futuro, onde Amphibio pode ser usado para excursões subaquáticas enquanto os humanos respiram sem esforço debaixo d’água. Kamei explica que “em 2100, está previsto um aumento de temperatura de 3,2ºC, causando um aumento no nível do mar que afetará de 500 milhões a três bilhões de pessoas e submergindo as megacidades situadas nas áreas costeiras”, e queria conceitualmente imaginar humanidade vivendo e prosperando nas proximidades de corpos d’água maiores.