Críticos atacam sigilo sobre armas químicas não detonadas deixadas pelo Exército Imperial Japonês

“As decisões sobre a seleção de um local para uma instalação que manipula munições não detonadas exigem um estudo minucioso dos efeitos de tais operações na área local e nas pessoas que vivem nela, bem como um plano para rotas de evacuação de emergência”

Críticos atacam sigilo sobre armas químicas não detonadas deixadas pelo Exército Imperial Japonês

No final da Segunda Guerra Mundial, o Exército Imperial Japonês deixou várias bombas não detonadas, cheias de gás venenoso, usado como munição. Nos anos 2000, quando essas bombas de artilharia foram descobertas e recuperadas do fundo do mar na cidade costeira de Kanda, na província de Fukuoka, o governo central emitiu uma ordem para inutilizar e desintoxicar os mais de 3.000 agentes químicos. Cerca de três anos atrás, os oficiais do governo anunciaram que haviam concluído a operação.

Porém, relatórios e registros que vieram à luz nos últimos anos mostram que o governo ocultou o fato de que outra munição não detonada com um agente químico foi encontrada mais tarde no fundo do mar. Além disso, sem o conhecimento dos moradores, uma nova instalação foi construída em Kanda, onde ainda está ocorrendo o descarte de bombas de gás venenoso não detonadas.

Wataru Oshiro, professor de direito constitucional da Universidade do Meio em Nago, província de Okinawa, que estuda os métodos de descarte de bombas, acredita que os funcionários do governo concluíram que o descarte de bombas de gás venenoso era seguro em retrospectiva, sabendo que ainda não ocorreu nenhum acidente durante o trabalho.

“Compartilhar informações sobre o desarme de bombas com pessoas que residem no bairro é crucial para criar confiança”, disse ele. “Se o governo esconde informações que foram divulgadas anteriormente ao público, suspeito que a razão pela qual elas não querem que as pessoas descubram é porque isso as levaria a uma verdade inconveniente que o governo deseja ocultar”.

N31 - 15-01-2020
Foto: Guarda Costeira do Japão VIA NishiNippon Shimbum