Crimes: Aumenta o consumo de drogas e diminui o roubo à medida que a crise do COVID avança no Japão

A contagem geral de casos caiu 18% em todo o país, mas os crimes cibernéticos aumentaram

Crimes: Aumenta o consumo de drogas e diminui o roubo à medida que a crise do COVID avança no Japão

Os crimes no Japão diminuíram no ano passado, pois os residentes temerosos do coronavírus ficaram em casa, mas os delitos com drogas e crimes cibernéticos estão aumentando.

A polícia relata um declínio de 17,9% nos casos em todo o país, para 614.231 em 2020, apenas um quinto do pico do pós-guerra no Japão de 2,85 milhões de casos, alcançado em 2002. A queda acelera a tendência de queda nos casos de crimes no Japão nos últimos anos.

No entanto, o aumento do teletrabalho e dos pagamentos sem dinheiro proporcionou uma oportunidade de ouro para os hackers. O crime cibernético cresceu para um recorde de 9.875 casos no ano passado.

Quais são as principais ocorrências

Os crimes relacionados às drogas também contrariaram a tendência, já que os suspeitos aumentaram em 5,4%. Embora o contrabando de drogas tenha caído com o declínio nos voos internacionais, o porte de maconha envolvendo jovens aumentou visivelmente. Um total de 5.034 suspeitos enfrentaram violações em delitos relacionados a maconha no ano passado, aumento de 16,5% em relação ao número mais alto já registrado.


Leia também: Governo japonês vai amenizar proibição de medicamentos derivados da cannabis

O abuso de substâncias na era da pandemia também foi um problema em todo o Pacífico. Os EUA registraram mais de 81 mil mortes por overdose de drogas nos 12 meses encerrados em maio de 2020, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças.

Perda do emprego, dificuldades financeiras e sentimentos de isolamento e ansiedade foram citados como fatores.

“O crime diminuiu em muitos países durante os bloqueios, mas o número de crimes depois excedeu os níveis pré-COVID devido ao aumento das taxas de desemprego e maior agitação social”, disse Kaori Takagi, analista da Sompo Risk Management.

Crimes
Menos crimes nas ruas e mais crime home office

Comparando a taxa de crimes com outros países em 2020

Incidentes de tiroteios em massa nos EUA aumentaram cerca de 50% para 610 em 2020, números do Gun Violence Archive mostram – o pior ano em dados desde 2014. O site define um tiroteio em massa como um incidente com pelo menos quatro vítimas, excluindo o atirador.

Na França, a criminalidade caiu drasticamente durante os dois bloqueios do país em 2020, mostram estatísticas do governo, incluindo a redução de roubos e assaltos. Mas os casos de violência doméstica aumentaram 9%.

Para o Japão, o coronavírus restringiu muitas oportunidades de crimes.

Furtos a home office

Os furtos, que respondem por quase 70% de todos os crimes em todo o país, diminuíram 21,6%. Crimes de rua, como roubo de bolsa e bicicleta, caíram 27,4% no ano passado, superando as quedas usuais de cerca de 10%. Com mais pessoas trabalhando em casa, os ladrões tinham menos casas vazias como alvo. Os crimes de entrada ilegal caíram mais de 20%.

Os crimes de colarinho branco, incluindo os que envolvem fraude e peculato, caíram apenas 5,5%. Isso se equiparou a crimes violentos, como roubo e incêndio criminoso, que diminuiu 5,6%. Os homicídios diminuíram 2,2%, mantendo a contagem praticamente em linha com a do ano anterior.

As diminuições continuaram no primeiro trimestre de 2021, com os casos de furto caindo 22% no ano. Os casos criminais caíram 18% no geral durante o período.

Mas os golpes de telefone e outras chamadas fraudes especiais começaram a aumentar no início de 2021, de acordo com o Departamento de Polícia Metropolitana de Tóquio. Esses casos aumentaram 14% no ano para o primeiro trimestre. Os golpistas costumam solicitar dinheiro de forma fraudulenta para marcar uma consulta de vacina.


Leia também: Cidade em Aichi oferece recompensas de 10 mil ienes para quem colaborar com prisão de golpistas

Os golpes de reembolso, nos quais a vítima transfere dinheiro em troca de um reembolso inexistente, praticamente dobraram no ano no primeiro trimestre, para 695 casos, de acordo com a Agência Nacional de Polícia.

Algumas pessoas de meia-idade ou mais velhas e com dificuldades financeiras devido ao COVID-19 também são acusadas de participar em fraudes, retirando dinheiro em nome de criminosos.

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *