Califórnia pedirá desculpas pelo confinamento de japoneses americanos durante a 2ª Guerra Mundial

A resolução da Califórnia não vem com nenhuma compensação. Ela tem como alvo as ações do Legislativo do Estado na época que apoiava os internamentos nos Campos de Concentração

Califórnia pedirá desculpas pelo confinamento de japoneses americanos durante a 2ª Guerra Mundial
Foto: Rich Pedroncelli

Les Ouchida nasceu nos Estados Unidos, nos arredores da capital da Califórnia, mas sua cidadania pouco importava depois que o Japão bombardeou Pearl Harbor declararam guerra. Baseado apenas em sua ascendência japonesa, o menino de 5 anos e sua família foram levados de sua casa em 1942 e encarcerados longe em Arkansas.

Eles estavam entre os 120.000 japoneses americanos mantidos em 10 campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, cuja única culpa era que “tínhamos sobrenomes e rostos errados”, disse Ouchida, agora com 82 anos e morando a uma curta distância de onde cresceu e foi levado quando era menino, devido ao medo de que os japoneses americanos ficassem do lado do Japão na guerra.

Agora espera-se que o Legislativo da Califórnia aprove uma resolução que peça desculpas a Ouchida e outras vítimas de internação pelo papel do estado em ajudar a política do governo dos EUA e condenar ações que ajudaram a combater a discriminação anti-japonesa.

O deputado Al Muratsuchi nasceu no Japão e é uma das aproximadamente 430.000 pessoas de ascendência japonesa que vivem na Califórnia, a maior população de japoneses e descendentes em um estado Norte Americano. O democrata apresentou a resolução. “Gostamos de falar muito sobre como lideramos a nação pelo exemplo”, disse ele. “Infelizmente, neste caso, a Califórnia liderou o movimento racista americano anti-japonês”.

N50 - 25-02-2020
Foto: Rich Pedroncelli