Vacina Pfizer obtém aprovação final no Japão

Um pouco mais de um ano depois que o coronavírus começou a se espalhar no Japão, o governo aprovou sua primeira vacina, dando início a um grande programa de vacinação

Vacina Pfizer obtém aprovação final no Japão

A vacina de mRNA COVID-19 da Pfizer Inc. obteve a aprovação final para uso de emergência no domingo pela ministra da saúde Norihisa Tamura, dois dias depois que um comitê governamental deu à vacina seu selo de aprovação, abrindo caminho para que as vacinações comecem já na quarta-feira. As aprovações de vacinas geralmente levam um ou dois anos, mas o governo encurtou o período de revisão para menos de dois meses, eliminando a necessidade de grandes ensaios clínicos de terceira fase no Japão em meio ao crescente número de vítimas da pandemia.

No entanto, o Japão ainda foi o último país entre as nações do Grupo dos Sete a dar o OK, já que exigiu um ensaio clínico adicional a ser conduzido em japoneses para garantir a segurança. O Reino Unido e os EUA aprovaram a vacina da Pfizer, desenvolvida em conjunto pela gigante farmacêutica norte-americana e a alemã BioNTech SE, em dezembro.

Testes em estágio final da vacina da Pfizer conduzidos em mais de 43.000 participantes, dos quais 5% eram asiáticos, nos EUA e em cinco outros países, mostraram que ela foi 95% eficaz na prevenção de COVID-19. A aprovação do Japão veio apesar da falta de um grande ensaio clínico no país, já que o número de casos de COVID-19 no país permanece significativamente menor em comparação com outros países. Tamura disse que o ensaio clínico da Pfizer no Japão em 160 pessoas com idades entre 20 e 85 anos confirmou a eficácia da vacina na produção de anticorpos, em linha com os resultados do ensaio em grande escala realizado no exterior.

Os primeiros carregamentos de vacinas da Pfizer chegaram ao Aeroporto Internacional de Narita de Bruxelas na sexta-feira, carregando frascos para cerca de 400.000 doses, de acordo com a Kyodo News. O Japão assinou um contrato para receber 144 milhões de vacinas da Pfizer, o suficiente para inocular 72 milhões de pessoas, até o final de 2021. Mas ainda não está claro quando os próximos carregamentos chegarão, pois cada lote da Europa precisa de uma autorização de exportação da União Europeia como nações corrida para vacinar seus cidadãos. As vacinas, que precisam ser mantidas a 75 graus Celsius negativos, também apresentam desafios logísticos significativos. O governo garantiu dezenas de milhares de freezers para armazenar os frascos.