Ursos: especialistas fazem apelo para melhorar seu habitat, após uma onda de ataques no Japão

Especialistas alertam para mais encontros, pois os ursos são forçados a entrar em áreas povoadas para encontrar comida

Ursos: especialistas fazem apelo para melhorar seu habitat, após uma onda de ataques no Japão

Uma onda de ataques de ursos no Japão gerou apelos para melhorar seu habitat natural, já que os especialistas alertaram sobre os encontros potencialmente perigosos com os animais quando eles se aventuram em áreas povoadas em busca de comida. A mídia japonesa relatou vários incidentes de terror ursina nas últimas semanas, incluindo um ataque na província de Ishikawa, que deixou quatro pessoas feridas, incluindo um homem de 90 anos e dois caçadores chamados para enfrentar o urso.

O urso, que pesava mais de 100kg, furou o pneu de uma viatura policial com as garras e foi morto a tiros ao entrar em uma casa. Outro urso negro que entrou em um shopping center em Ishikawa foi morto após uma busca de 13 horas. Onze pessoas na província foram feridas por ursos desde o início do ano – o maior número desde que os registros locais foram feitos pela primeira vez em 2005, de acordo com a mídia local. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, 157 pessoas ficaram feridas em ataques de ursos em todo o país no ano passado – o maior número em uma década – e uma pessoa morreu.

Os ataques estão sendo atribuídos à escassez de nozes no habitat natural dos ursos, forçando-os a vagar por áreas povoadas em busca de alimento. Os ursos-pretos, que podem crescer até 1,5 m de altura e pesar mais de 100 kg, comem nozes altamente calóricas e nutritivas para engordar antes de começarem a hibernar em novembro. “Há menos para comer nas montanhas e é por isso que eles estão vindo para as aldeias”, disse Yuko Murotani, presidente da Sociedade Japonesa de Ursos e Florestas.

O despovoamento rural e o consequente abandono de terras agrícolas também é um fator, pois turvou as fronteiras outrora distintas entre florestas e aldeias. Os conservacionistas alertaram que os encontros entre ursos e humanos – uma experiência traumática para ambas as partes – continuarão a menos que seja feito mais para garantir um suprimento adequado de nozes e outros alimentos para sustentá-los no verão e no início do outono.