Turismo global deve cair 57% em meio a controles mais rígidos nas fronteiras em 2020

A demanda por turismo no exterior não retornará ao nível de 2019 até 2024, refletindo os efeitos econômicos da pandemia e o sentimento negativo persistente em relação às viagens internacionais, incluindo o impacto nas viagens de lazer e negócios

Turismo global deve cair 57% em meio a controles mais rígidos nas fronteiras em 2020

A demanda global por viagens internacionais deve cair 57% em 2020, prejudicada por controles mais rígidos de fronteira e medidas de quarentena impostas em um esforço para conter o surto de coronavírus, de acordo com uma empresa de pesquisa britânica Oxford Economics Ltd. em um relatório recente.

Muitos países estão começando a reabrir suas fronteiras. “No entanto, há imensa dificuldade em encontrar o equilíbrio correto entre garantir que o vírus permaneça sob controle e, ao mesmo tempo, reviver o turismo”, disse a empresa de pesquisa. A demanda por viagens domésticas deve se recuperar mais rapidamente do que as internacionais, voltando ao nível em 2019 até 2022, de acordo com o relatório.

A queda de 57%, equivalente a 847 milhões de chegadas a menos, é projetada pois todas as regiões provavelmente sofrerão um declínio, com viagens para destinos na América do Norte esperando apresentar uma queda mais acentuada: cerca de 70%. A Ásia-Pacífico será a segunda região mais afetada, com um declínio de 57%. Os destinos do Nordeste Asiático devem registrar a maior queda na área de 61%.

No Japão, os visitantes que chegam caíram 99,9% em relação ao ano anterior pelo quarto mês consecutivo em julho, com a entrada de estrangeiros de mais de 140 países e regiões proibida. As viagens internacionais devem cair 56% na Europa, apesar dos movimentos recentes para reabrir as fronteiras e impulsionar a atividade de viagens, disse a empresa de pesquisa britânica. Espera-se que as 10 cidades com maior porcentagem de quedas fiquem nos Estados Unidos, incluindo Nova York, que provavelmente terá uma queda de 79%.