Trabalhadores estrangeiros perdem seus empregos devido ao “efeito corona” no Japão

Trabalhadores estrangeiros perdem seus empregos devido ao “efeito corona” no Japão

A pandemia de coronavírus atingiu a economia do Japão com força e muitas fábricas, incluindo as montadoras de veículos, que estão reduzindo a produção

Oito anos após de chegar do Brasil, Rennan Yamashita estava sentado em um escritório do governo na província de Mie, preenchendo formulários de seguro-desemprego depois de perder o emprego pela nona ou décima vez – ele perdeu a conta. Algumas semanas antes, ele foi demitido de seu emprego em uma fábrica de autopeças. Ele só ocupou o cargo por quatro meses.

Os trabalhadores estrangeiros são particularmente vulneráveis, com uma rede de apoio mais fraca e barreiras linguísticas que os impedem de procurar ajuda do governo. “Se eles precisam de você, eles o contratam; se eles não precisam de você, eles vão demiti-lo. É simples assim”, disse Yamashita, de 31 anos.

Grupos sindicais, advogados trabalhistas e organizações sem fins lucrativos dizem que trabalhadores estrangeiros são os primeiros a perder empregos devido ao “efeito corona”, que eles temem poder se expandir para o tipo de demissões em massa vistas na crise financeira de 2008.

No mês passado, o Japan Center for Economic Research estimou que, se o PIB do Japão contrair 25% este ano, a taxa de desemprego chegará a 5% e cerca de 2 milhões de pessoas poderão perder o emprego.

“Trabalhadores estrangeiros com contratos de curto prazo são demitidos primeiro”, porque são mais fáceis de demitir, disse Akai Jimbu, organizador do Union Mie.

Entre os meses de março e abril, a organização trabalhista com sede na província de Mie, um centro de fabricação, recebeu 400 consultas de trabalhadores afetados pelo coronavírus. Cerca de 330 eram trabalhadores estrangeiros.

No ano passado, 34,5% dos funcionários estrangeiros em Mie eram trabalhadores temporários, em comparação com a média nacional de 2,5%. “É quase como se os estrangeiros fossem contratados para serem demitidos quando as coisas ficarem difíceis”, disse Jimbu. “Eles são apenas um parafuso sobressalente aos olhos do empregador.”

O Japão tornou-se cada vez mais dependente de mão de obra estrangeira. Com um terço de sua população com mais de 65 anos e uma população ativa menor, o governo diminuiu algumas restrições de imigração. Mais de 1,6 milhão de trabalhadores estrangeiros apoiavam a economia japonesa em outubro de 2019 – um número quatro vezes maio em comparação a 2008.

Uma autoridade do Ministério do Trabalho disse à Reuters que o ministério não rastreia oficialmente o número de trabalhadores estrangeiros demitidos porque fornece “apoio a todos os trabalhadores”, independentemente de sua nacionalidade. Ainda assim, o governo alocou recentemente 370 milhões de ienes (US $ 3,46 milhões) para melhorar o suporte multilíngue a estrangeiros nos escritórios de desemprego e online.

Mas a maioria dos trabalhadores estrangeiros não pede ajuda ao governo. Enquanto o Union Mie realizou centenas de consultas este ano até meados de abril, o escritório local do Ministério do Trabalho realizou apenas sete.

A brasileira Kaori Nakao procurou ajuda do sindicato quando seu empregador a dispensou de uma fábrica de componentes para automóveis no final de março. A empresa disse a ela que estava sendo demitida por causa de cortes na produção relacionados ao coronavírus. Nakao, de 38 anos, também recebeu ordem de deixar o apartamento da empresa. Grávida do quarto filho e sem nenhuma poupança, ela pediu ajuda à Union Mie.

No mês passado, membros do sindicato e Nakao protestaram do lado de fora do escritório de seu empregador e da fábrica de sistemas térmicos da Mitsubishi Heavy Industries, onde ela trabalhava. A empresa se recusou a comentar porque não empregava Nakao. “Eu só quero trabalhar”, disse Nakao. “Não tenho dinheiro e nem posso comprar comida para os meus filhos.”

N15 - 07-05-2020
O brasileiro Rennan Yamashita, recentemente foi demitido de seu emprego
Foto: REUTERS/Sakura Murakami

Yamashita, que ainda está procurando emprego, disse que encontrou uma posição aberta em outra fábrica de autopeças há algumas semanas. O contrato durou apenas três meses – talvez até menos. Ainda assim, Yamashita disse, era algo. Ele entrevistou para o trabalho e estava ansioso por uma trégua na busca. Mas então ele recebeu uma ligação. A posição não estava mais disponível. “Somos os primeiros a ir”, diz ele sobre estrangeiros que trabalham no Japão. “Eu já sei disso.”