Suicídios no Japão saltam 16% na 2ª onda da pandemia, diz estudo

O aumento assustador de suicídios ocorreu entre mulheres e crianças entre julho e outubro

Suicídios no Japão saltam 16% na 2ª onda da pandemia, diz estudo
Desbravando o Japão

As taxas de suicídio no Japão aumentaram na segunda onda da pandemia de COVID-19, particularmente entre mulheres e crianças, embora tenham caído na primeira onda quando o governo ofereceu generosas doações às pessoas, revelou uma pesquisa. A taxa de suicídio de julho a outubro aumentou 16% em relação ao mesmo período do ano anterior, uma reversão total da queda de 14% em fevereiro-junho, de acordo com o estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Hong Kong e do Instituto Metropolitano de Gerontologia de Tóquio.

“Ao contrário das circunstâncias econômicas normais, esta pandemia afeta desproporcionalmente a saúde psicológica de crianças, adolescentes e mulheres (especialmente donas de casa)”, escreveram os autores no estudo publicado na revista Nature Human Behavior. O declínio precoce dos suicídios foi afetado por fatores como subsídios do governo, redução da jornada de trabalho e fechamento de escolas, concluiu o estudo.

Mas o declínio foi revertido – com a taxa de suicídio subindo 37% entre as mulheres, cerca de cinco vezes o aumento entre os homens – à medida que a pandemia prolongada afetou as indústrias onde predominam as mulheres, aumentando a carga sobre as mães que trabalham, enquanto a violência doméstica aumentou, disse o relatório. O estudo, baseado em dados do Ministério da Saúde de novembro de 2016 a outubro de 2020, descobriu que a taxa de suicídio infantil aumentou 49% na segunda onda, correspondendo ao período após o fechamento das escolas em todo o país.

Taro Kono, ministro da reforma administrativa e regulatória, disse à Reuters na quinta-feira que, embora o governo considere estender o estado de emergência, ele “não pode matar a economia. As pessoas se preocupam com o COVID-19. Mas muitas pessoas também cometeram suicídio porque perderam seus empregos, perderam sua renda e não viam esperança”, disse. “Precisamos encontrar o equilíbrio entre o gerenciamento do COVID-19 e o gerenciamento da economia.”

Se você ou alguém que você conhece precisa de aconselhamento, o site Consulado Geral do Brasil em Nagoya faz parcerias com psicólogos para auxiliar membros da comunidade.

Leia em Japan Today (Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também