Sensor de filme ultrafino ajudará na identificação e no monitoramento de sinais vitais de pacientes no Japão

Segundo o plano, o sensor será refinado para medir não apenas os pulsos, mas também os níveis de açúcar e a quantidade de oxigênio no sangue

Sensor de filme ultrafino ajudará na identificação e no monitoramento de sinais vitais de pacientes no Japão
Foto: Universidade de Tóquio

Um sensor extremamente fino usado ao redor do dedo ou do braço, pode medir pulsos e digitalizar impressões digitais e padrões de veias, impedindo, assim, confusões de identificação entre pacientes médicos e residentes de enfermagem, disseram os desenvolvedores do dispositivo.

Os cientistas da Universidade de Tóquio e do Japão Display Inc. disseram que o equipamento do sensor funciona como uma câmera. Consiste em um transistor de filme fino e um sensor óptico colocado em uma folha. O desenvolvimento do sensor foi baseado na tecnologia de eletroluminescência orgânica, disseram eles. “Tanto a imagem de alta resolução quanto a leitura de dados de alta velocidade foram realizadas ao mesmo tempo”, disse Takao Someya, professor de engenharia elétrica da universidade.

O dispositivo tem cerca de 0,015 mm de espessura e pode ser dobrado ou colado em um braço. Embora fosse difícil colocar as peças minúsculas na chapa fina, o processo foi concluído diminuindo as temperaturas e melhorando o agente usado no processo de fabricação. “Vamos lançar o sensor no mercado dentro de três anos”, disse Akio Takimoto, membro sênior da Divisão de P&D da Japan Display.

Segundo o plano, o sensor será refinado para medir não apenas os pulsos, mas também os níveis de açúcar no sangue e o conteúdo de oxigênio no sangue. A equipe está considerando adotar uma bateria para que o sensor possa ser usado como um aparelho de saúde por um período prolongado, como um relógio de pulso.

N44 - 21-02-2020
Foto: Universidade de Tóquio