Província de Mie é primeira no Japão a proibir que pessoas pressionem LGBTs a se revelarem publicamente

Embora o país esteja atrás de outras nações desenvolvidas, o Japão vem avançando nos direitos LGBTs nos últimos cinco anos. Vários governos locais começaram a reconhecer casamentos entre pessoas do mesmo sexo, empresas e escolas do país começaram a fazer movimentos para se tornarem mais inclusivas

Província de Mie é primeira no Japão a proibir que  pessoas pressionem LGBTs a se revelarem publicamente

O desenvolvimento mais recente vem da Província de Mie, onde, em 3 de junho, o governador Eikei Suzuki anunciou a criação de uma proibição de expor membros da comunidade LGBT sem sua permissão, em sessão da Assembléia, conforme informou a Kyodo. Sob a proibição, que faz parte de uma lei antidiscriminação mais ampla, terceiros não poderão revelar a orientação sexual ou a identidade de gênero de uma pessoa, nem podem coagir essa pessoa a revelá-la publicamente.

As penalidades serão criadas após uma conferência de especialistas deliberarem sobre o assunto. O governador Suzuki disse que o ato de expor “pode ​​desestabilizar as relações familiares e profissionais e levar as pessoas ao isolamento, interrompendo suas amizades e entrando em contato com outras pessoas”. Suzuki acrescentou: “Precisamos fazer mais para criar uma sociedade que se preocupe”.

A mudança foi amplamente aplaudida nas redes sociais, como uma mudança bem-vinda. A maioria apoiou e pediu que mais fosse feito, enquanto alguns pareciam ter problemas com o conceito de expor e a extensão da jurisdição legal da província de Mie. Certamente, é verdade que uma mudança real não pode ser realizada apenas por leis. Para mudar as percepções de uma sociedade inteira, são necessárias ações mais profundas.

Província de Mie é primeira no Japão a proibir que  pessoas pressionem LGBTs a se revelarem publicamente 1
Governador Hidetaka Suzuki, na sessão plenária da Assembléia da Província de Mie, falando sobre o estabelecimento de uma portaria que proíbe a discriminação contra minorias sexuais LGBT
Foto: Kyodo