Polêmica exposição de arte será aberta em Tóquio em 25 de junho, com obras sobre Mulheres de Conforto Militar

Uma exposição de arte que gerou polêmica por apresentar uma estátua que simboliza Mulheres de Conforto Militar há cerca de dois anos será lançada em Tóquio no dia 25 de junho

Polêmica exposição de arte será aberta em Tóquio em 25 de junho, com obras sobre Mulheres de Conforto Militar
Imagem: Instagram @kim_see_sea

A exposição intitulada After “Freedom of Expression?” foi lançada inicialmente em 1º de agosto de 2019 como parte da Trienal de Aichi 2019 na cidade de Nagoya, no centro do Japão, mas foi fechada três dias depois por questões de segurança em meio a várias ameaças ao festival e reclamações, principalmente pela exibição de obras relacionadas às Mulheres de Conforto Militar.

A próxima exposição está programada para ser realizada em uma galeria no bairro de Shinjuku, em Tóquio, até o dia 4 de julho, apenas com reservas e um plano para entradas escalonadas como medidas de segurança em meio à pandemia de coronavírus. Após seu fechamento inicial, a exposição foi reaberta por sete dias em outubro de 2019 com maior segurança e número limitado de visitantes.

A exposição exibiu 23 obras, incluindo a estátua simbolizando as Mulheres de Conforto Militar, muitas delas coreanas, que foram recrutadas para trabalhar nos bordéis militares do tempo de guerra no Japão contra sua vontade, bem como uma peça sobre o sistema imperial japonês. Além da questão histórica, que tem sido um grande obstáculo nas relações Japão-Coréia do Sul, a exposição também chamou a atenção do público para a questão da liberdade de expressão versus censura, com políticos locais na província de Aichi em lados opostos.

O governador Aichi, Hideaki Omura, que chefiou o comitê diretor do festival de arte, pressionou pela reabertura da exposição, enquanto Takashi Kawamura, prefeito de Nagoya, capital da província de Aichi, protestou contra a reabertura, criticando o evento como “violência para sequestrar a opinião pública em nome da liberdade de expressão”. O Prefeito de Nagoya já enviou uma carta a Berlim exigindo a remoção da estátua de “mulheres de conforto” no passado.