Pedidos de limpeza em “casas de acumuladores” disparam em Tóquio em meio à pandemia

A pandemia tem contribuído com alguns acumuladores compulsivos, que vivem entre o lixo em suas casas

Pedidos de limpeza em “casas de acumuladores” disparam em Tóquio em meio à pandemia
Desbravando o Japão

Com a disseminação do coronavírus, o número de pedidos e consultas para limpeza de casas de acumuladores, onde pessoas estão acumulando pertences e muito lixo, tem aumentado muito em Tóquio. Acredita-se que isso se deva ao fato de que jovens solteiros, comumente residentes em áreas urbanas, terem evitado sair de casa, aumentado o uso de entregas de alimentos, bebidas e compras online, que tendem a produzir lixo.

Em dezembro de 2020, a empresa de coleta de lixo e limpeza Rerise, fundada em 2006 em Yokohama, província de Kanagawa, abriu uma filial no distrito de Minato, Tóquio. De acordo com a empresa, o número de pedidos de limpeza e consultas de famílias em geral em janeiro e fevereiro de 2020 foi de cerca de 80 por mês, mas depois de março do mesmo ano, quando as infecções por coronavírus se espalharam, o número mais que dobrou, chegando a cerca de 190.

Oitenta por cento dos clientes são solteiros na faixa dos 20 aos 30 anos, sendo que 70% deles são mulheres. A empresa diz que os seguintes processos são observados antes que um apartamento se transforme em uma lixeira. Primeiro, o residente aumenta suas atividades em casa, como trabalhar onde mora para evitar a propagação de infecções por coronavírus, depois deixa de comer fora e usa serviços de entrega de comida como Uber Eats e aí o lixo depois de comer se acumula em seus apartamentos.

Um motivo típico para as pessoas manterem o lixo em seus apartamentos é que elas adiam o descarte, pensando que irão limpar tudo de uma vez em algum momento no futuro, mas no final, elas não jogam fora. Frequentemente, eles atrasam a limpeza da casa antes de pedir pelo serviço, principalmente quando recebem o bônus de salário. Em alguns casos, eles usam sacos cheios de lixo para dormir ou os deixam em casa mesmo quando estão infestados de insetos.

Leia em The Mainichi (Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também