Parte da série Olimpíadas de Tóquio, em 41 posts

Como a Olimpíada de Tóquio sem espectadores vai impactar o esporte pós pandemia?

Será que a proibição de espectadores da Olimpíada terá um impacto permanente nas competições esportivas?

Como a Olimpíada de Tóquio sem espectadores vai impactar o esporte pós pandemia?
Olimpíada
Foto: Markus Spiske – Unsplash

A decisão de impedir que as pessoas entrem no Japão para assistir à Olimpíada e Paralimpíada de Tóquio significa que os jogos serão muito diferentes dos anteriores, mas agora é possível considerar o impacto duradouro que a decisão poderia ter.

A questão mais imediata e óbvia é se a situação se repetirá na China menos de seis meses após o encerramento da Olimpíada de Tóquio.

O próximo grande evento esportivo serão os Jogos de Inverno em Pequim, sem nenhuma certeza de que a pandemia estará muito mais sob controle conforme novas variantes surgem e vários países ficam para trás em seus lançamentos de vacinas devido à falta de acesso ou má gestão.

Os organizadores na China já disseram que ficarão de olho no que acontece no Japão, observando quais medidas serão postas em prática para reduzir o risco de infecção. Com a decisão de deixar as fronteiras do Japão praticamente fechadas, eles têm uma situação muito significativa para avaliar.


Leia também: Ausência da Coreia do Norte nas Olimpíadas prolonga impasse diplomático

Depois de experimentar o primeiro surto de coronavírus há mais de um ano, a China impôs severos bloqueios e programas de teste em massa primeiro em Wuhan, a cidade onde o vírus foi detectado pela primeira vez, e depois em outros lugares do país, resultando em escapar da pandemia com relativamente poucas infecções em comparação com outros grandes países.

O Japão fará questão de impedir que a Olimpíada seja um catalisador que desfaz os sacrifícios feitos durante a pandemia, especialmente se mais cepas do vírus continuarem a surgir.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que a reabertura de viagens internacionais à China para pessoas que foram vacinadas com vacinas produzidas na China está sendo facilitada.

O anúncio foi feito logo após a oferta das mesmas vacinas para os Comitês Olímpicos Nacionais dos países que aprovaram suas vacinas, com destino a Tóquio e Pequim.

O presidente do COI, Thomas Bach, chamou a oferta da vacina “no verdadeiro espírito olímpico de solidariedade” e disse que a organização internacional “pagará por doses extras”, mas como poucos países aprovaram as vacinas chinesas, o impacto será limitado.

A aceitação da oferta de vacina chinesa também pode ser ofuscada pelo cabo-de-guerra político em curso entre a China e os Estados Unidos, com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, não descartando um boicote olímpico a Xinjiang, Hong Kong ou Taiwan durante sua recente viagem ao Japão.

A China disse que politizar os esportes de qualquer forma é contra os interesses dos atletas em todo o mundo, ao mesmo tempo que mantém os jogos no caminho certo.

“Temos toda a confiança em sediar um evento olímpico simples, seguro e esplêndido”, disse o porta-voz.

Pequim ainda planeja permitir que estrangeiros entrem no país para trabalhar nos jogos, com fontes dizendo ao Kyodo News que o recrutamento está em andamento. No entanto, ainda não está claro se eles serão obrigados a se submeter à vacinação.

Apesar da proibição de espectadores, Tóquio também está trazendo uma equipe estrangeira experiente e, de acordo com outra pessoa com conhecimento da situação, o comitê organizador da Olimpíada está estendendo a duração do contrato para garantir que as pessoas que entram no Japão se isolem por 14 dias antes de começarem a trabalhar, uma quarentena que nunca foi considerada realista para os espectadores.

No entanto, oficiais disseram em particular ao Kyodo News, os cerca de 8.000 voluntários residentes no exterior que foram aprovados para trabalhar em Tóquio não terão permissão para entrar no país.

Por necessidade, o Comitê Olímpico Internacional ficou em segundo plano nas discussões sobre a necessidade de manter os fãs estrangeiros fora, com Bach repetidamente dizendo que a decisão cabia aos organizadores de Tóquio e aos governos locais, e sua organização só poderia acatar suas conclusões.

Ele não se esquivou das implicações que a decisão terá sobre os atletas e suas famílias, porém, dizendo na conclusão de uma sessão virtual do COI em meados de março que sente a dor da oportunidade perdida.

“Sem suas famílias e amigos lá, este é um dos tópicos que posso sentir muito bem com os atletas, com suas famílias (e) com seus amigos, mas teremos que colocar a segurança em primeiro lugar”, disse.

Ao expressar decepção com a decisão no sábado, Bach disse que isso apenas estimulará o COI a “fazer todos os esforços para que os fãs de todo o mundo possam experimentar o espírito olímpico”.

Como o COI fará isso ao mesmo tempo em que protege os direitos exclusivos das emissoras anfitriãs – e, por sua vez, protege seu fluxo de receita – ainda não se sabe, mas o movimento olímpico já está pensando em como serão os jogos no mundo pós-coronavírus.

Como muitas outras organizações grandes e lentas que tiveram que funcionar durante a pandemia, o COI indicou que a natureza da pandemia de mudança de normas o levou a reavaliar a própria natureza da Olimpíada.

“O mundo nunca mais será como antes”, disse Bach na sessão do COI. “Mesmo quando tivermos finalmente superado a crise da saúde, enfrentaremos as consequências sociais, financeiras, econômicas e políticas de longo alcance.”

O COI aprovou por unanimidade na reunião um adendo de cinco anos à sua “Agenda 2020”, uma cesta de reformas destinadas a cortar custos e incentivar as cidades a se candidatarem aos jogos, aprovada pela primeira vez em 2014.

Agora conhecido como Agenda 2020 + 5, o COI agiu para enfrentar um mundo pós-coronavírus mais desafiador com 15 recomendações ambiciosas destinadas a promover a sustentabilidade, credibilidade e redução de custos da Olimpíada, ao mesmo tempo em que aborda a polarização e a desigualdade.

Ela se comprometeu a adotar a digitalização que a COVID-19 impulsionou, dando-lhe a “oportunidade de adotar ainda mais a tecnologia digital como uma ferramenta poderosa para se dirigir às pessoas de forma mais direta e promover os valores olímpicos, tendo em mente que atualmente cerca de metade da população mundial permanece mal atendido digitalmente.”

A pena para Tóquio e Pequim é que qualquer mudança significativa provavelmente chegará tarde demais para fazer uma diferença perceptível.

Deixe uma resposta

Leia mais posts relacionados