O número de alunos de doutorado é agora quase metade do que há 17 anos

A diminuição no número de alunos que concluem um doutorado não tem relação direta com o decréscimo populacional e sim com a falta de interesse das empresas por esses profissionais

O número de alunos de doutorado é agora quase metade do que há 17 anos

De acordo com o Ministério da Educação do Japão, o número de graduados com doutorado era 11.637 em 2003, mas desde então diminuiu quase pela metade, para apenas 5.963 este ano. Como 2003 foi há 17 anos, você pode pensar que a redução no número de doutorados se deve ao declínio contínuo da taxa de natalidade do país, mas na verdade as estatísticas dizem o contrário. O número de doutorados por um milhão de cidadãos também diminuiu; em 2017, era 119, em comparação com 131 em 2008.

Compare isso com os EUA, a Alemanha e a Coreia, que aumentaram seu número de graduados por um milhão de cidadãos desde 2008. Esses números são desanimadores para o Japão, cujas indústrias científicas constituem a espinha dorsal de sua economia. Mas o que poderia estar causando esse declínio no interesse em seguir as ciências para um nível acadêmico superior? Especialistas nas indústrias científica e acadêmica dizem que é porque os custos para obter um doutorado superam os benefícios no Japão.

Akira Yoshino, ganhador do Prêmio Nobel de Química, destacou que a maior preocupação dos candidatos ao doutorado são em relação com suas perspectivas de emprego depois de se formarem. Yoshino diz que, embora ter um doutorado seja uma vantagem para encontrar emprego na maioria dos outros países, não há tais considerações no Japão.

“Acho que deve haver o reconhecimento da realização do doutorado, bem como o tratamento preferencial e remuneração dos doutorandos”, acrescentou. Ele também sugeriu que os jovens de hoje não são capazes de se dedicar à pesquisa de longo prazo. “A pesquisa acadêmica é uma busca pela verdade, ou é baseada em algo sobre o qual o pesquisador tem uma profunda curiosidade e que pode seguir obstinadamente. É absolutamente importante ter uma missão na qual se concentrar. Nesse sentido, acredito que é muito importante cultivar um ambiente no Japão onde alguém possa se estabelecer para pesquisar algo por dez anos ou mais e se sentir seguro sobre isso”.