O Ironman mais velho do mundo planeja continuar competindo até os 90

Inspirado pelo apoio do público havaiano, Inada completou o Ironman em 2016, ganhando seu certificado do Guinness World Records

O Ironman mais velho do mundo planeja continuar competindo até os 90
Desbravando o Japão

Hiromu Inada de 87 anos de idade, já tem um certificado em sua parede que confirma sua condição de ser homem mais velho do mundo a completar o Ironman, uma competição considerada um dos eventos de resistência mais difíceis do esporte, exigindo que os atletas nadem 3,86 km, pedalem 180,25 km e percorram uma maratona completa de 42,19 km. Mesmo assim, o japonês ainda está treinando forte em sua bicicleta e espera continuar competindo até os 90 anos.

Foi em 2018 com a idade de 85 anos e 328 dias, que Inada foi para Kailua-Kona no Havaí e estabeleceu a nova marca para a pessoa mais velha a completar o Ironman – um feito impressionante para maioria das pessoas. O cancelamento do Ironman deste outubro devido à pandemia do coronavírus não diminuiu sua ambição, e Inada está mantendo sua exaustiva programação de treinamento para voltar ao Havaí no próximo ano.

“Meu objetivo é o campeonato mundial do próximo ano no Havaí”, disse ele à Reuters em seu centro de treinamento em Chiba. “Com certeza vou participar e quero bater o recorde mundial de terminar a corrida com a idade mais avançada de novo. Este é o meu maior e atual objetivo”. Esguio e bronzeado de horas de treinamento ao ar livre, Inada parece um homem que competiu em provas de resistência a vida inteira, mas só começou a praticar o esporte quando se aposentou.

Depois de trabalhar para a emissora pública NHK, Inada começou a nadar e correr, e comprou uma bicicleta aos 69 anos. Ele competiu em seu primeiro triatlo um ano depois. Após a morte de sua esposa logo em seguida, as competições de Ironman se tornaram uma obsessão para Inada. Em 2015, aos 82 anos, ele participou do Hawaii Ironman, tentando se tornar o finalizador mais velho da história, mas ficou um pouco aquém: seu tempo foi 5 segundos mais lento do exigido para ser registrado oficialmente.

Leia em Reuters (Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também