Líderes empresariais japoneses miram em excesso de trabalho

De acordo com o Ministério do Trabalho, em abril, 145 funcionários do governo central trabalharam 100 horas extras ou mais, quando o coronavírus estava se espalhando por todo o país

Líderes empresariais japoneses miram em excesso de trabalho

Um grupo formado por chefes de empresas líderes no Japão, começou a coletar assinaturas online como parte de uma tentativa de reduzir o excessos de horas extras no distrito de Kasumigaseki, em Tóquio, lar de muitos escritórios do governo central, enquanto a pandemia de coronavírus força funcionários do governo a trabalhar cada vez mais horas.

O grupo, liderado por Kentaro Kawabe, presidente da Yahoo Japan Corp. e sua controladora, Z Holdings Corp. e Yoshihisa Aono, presidente da desenvolvedora de software de computador Cybozu Inc., pede que os ministérios e agências governamentais fechem seus escritórios entre as 22h e 5h e permitam que os trabalhadores realizem trabalhos urgentes em casa.

Yoshie Komuro, um dos integrantes do grupo e presidente do Work Life Balance, disse que o principal motivo das longas jornadas dos funcionários públicos tem a ver com o trabalho de preparação dos legisladores. “Se Kasumigaseki mudar, os políticos não terão escolha a não ser mudar sua maneira de trabalhar”, disse Komuro. “As empresas privadas e a sociedade em geral estão sendo forçadas a acompanhar o estilo de trabalho antiquado” do governo central, enfatizou, acrescentando que as organizações governamentais frequentemente buscam comunicações face a face.

“Longas horas de trabalho bloqueiam a introdução de tecnologias da informação”, disse Komuro. “Kasumigaseki deve corrigir as práticas de trabalho para promover a digitalização no país”.

Leia em Tha Japan Times (Inglês)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jaqueline Kuriu

Jaqueline Kuriu é praticante de Kyudo, a arqueria tradicional japonesa, e estudante de japonês. Atualmente mora em Tóquio, mas nasceu em Curitiba, onde se formou em Educação Física pela UFPR. Trabalhou com dança e atividades culturais, e realizou palestras sobre arte, música, cultura e viagens.

Veja também