Japão teme que variantes do COVID-19 estejam por trás da possível quarta onda

As autoridades sanitárias japonesas estão preocupadas com o fato de variantes do coronavírus provocarem uma quarta onda da pandemia, faltando apenas poucos meses para a Olimpíada de Tóquio

Japão teme que variantes do COVID-19 estejam por trás da possível quarta onda

As variantes parecem ser mais infecciosas e podem ser resistentes às vacinas, que ainda não estão amplamente disponíveis no Japão. A situação é pior em Osaka, onde as infecções atingiram novos recordes na semana passada, levando o governo regional a iniciar medidas de bloqueio por um mês a partir de segunda-feira.

Uma variante do COVID-19 descoberta pela primeira vez na Grã-Bretanha se espalhou pela região de Osaka, infectando mais rapidamente e enchendo os leitos de hospitais com casos mais graves do que o vírus original, de acordo com Koji Wada, um conselheiro do governo sobre a pandemia. “A quarta onda será maior”, disse Wada, professor da Universidade Internacional de Saúde e Bem-Estar de Tóquio. “Precisamos começar a discutir como poderíamos utilizar essas medidas direcionadas para a área de Tóquio”.

A verdadeira extensão dos casos mutantes é desconhecida, pois apenas uma pequena fração dos casos COVID-19 positivos são submetidos ao estudo genômico necessário para encontrar as variantes. Um relatório do Ministério da Saúde na semana passada mostrou que 678 casos de variantes da Grã-Bretanha, África do Sul e Brasil foram descobertos em todo o país e em aeroportos, com os maiores aglomerados em Osaka e nas proximidades da prefeitura de Hyogo. Essa variante estava presente em cerca de 70% dos pacientes com coronavírus testados em um hospital de Tóquio no mês passado, disse a emissora pública japonesa NHK no domingo.

A recuperação dos casos ocorreu semanas após o governo suspender as medidas de Estado de Emergência e as medidas prioritárias que estão sendo implementadas agora têm como objetivo deter um aumento inesperado nos casos mutantes, disse Makoto Shimoaraiso, oficial do Secretariado do Gabinete para a resposta COVID-19 do Japão. “Embora tenhamos analisado vários indicadores (científicos) antes de suspender o Estado de Emergência, há possibilidade de críticas de que deveríamos ter previsto o status das variantes.”

Veja também

Assine nossa newsletter