Japão registra 1.660 novos casos diários de vírus em meio a uma possível 3ª onda

Tóquio, Osaka e Hokkaido têm uma tendência ao aumento nos casos, levando especialistas a começar falar sobre uma 3ª onda

Japão registra 1.660 novos casos diários de vírus em meio a uma possível 3ª onda

O Japão confirmou na quinta-feira 1.660 novos casos de coronavírus, um recorde diário desde o surto do vírus no início deste ano, em meio a sinais que alguns especialistas em saúde chamam de uma possível “terceira onda” de infecções com a aproximação do inverno. A contagem nacional, compilada pelo Kyodo News a partir de informações oficiais, chega no momento em que áreas urbanas como Tóquio e Osaka, e a principal ilha ao norte do país, Hokkaido, um destino turístico popular, estão vendo um aumento de novos casos.

Depois de uma reunião de um subcomitê do governo para contramedidas contra o vírus, Yasutoshi Nishimura, o ministro responsável pela resposta do governo japonês ao coronavírus, advertiu que “um aumento (em infecções) semelhante ao do verão está a caminho”. O registro anterior de um único dia de 1.597 novos casos em todo o país foi registrado no dia 7 de agosto.

Os especialistas atribuíram o ressurgimento das infecções ao clima frio, já que as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados. Toshio Nakagawa, chefe da Associação Médica do Japão, descreveu a última situação como “uma terceira onda” do coronavírus. Desde setembro, os casos de coronavírus em um único dia em todo o país tinham oscilado entre 300 e 600 antes de começarem a aumentar em outubro. Até o momento, mais de 114 mil casos confirmados foram relatados em todo o Japão e 1.800 mortes foram atribuídas ao coronavírus.

Shigeru Omi, chefe do subcomitê formado por especialistas em saúde, advertiu em uma entrevista coletiva, após a reunião de quinta-feira, que se “medidas suficientes não forem tomadas, não haverá outra maneira a não ser implementar restrições às atividades sociais e econômicas”. Depois que o governo central declarou Estado de Emergência em abril, em meio ao aumento das infecções, o número de casos de COVID-19 aumentou novamente no verão.