Japão deve apresentar um novo pacote de estímulo econômico de 700 bilhões de dólares para combater a pandemia

Até agora, no atual ano fiscal, o parlamento já aprovou dois orçamentos extras, totalizando 57,60 trilhões de ienes, para financiar medidas de estímulo econômico em meio à pandemia

Japão deve apresentar um novo pacote de estímulo econômico de 700 bilhões de dólares para combater a pandemia
Desbravando o Japão

Parte da série Coronavírus, em 356 posts

Parte da série Matérias Especiais, em 75 posts

O pacote de estímulo econômico adicional do governo japonês será 73 trilhões de ienes (700 bilhões de dólares), enquanto o país continua lutando com as consequências econômicas da nova pandemia de coronavírus.

Os gastos fiscais para implementar o pacote, totalizarão cerca de 30 trilhões de ienes a serem financiados pelo terceiro orçamento suplementar do governo para o ano fiscal de 2020 até março e o orçamento inicial para o ano fiscal de 2021. O pacote incluirá 5,9 trilhões de ienes para medidas relacionadas à redução da disseminação do coronavírus, disseram fontes do governo.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga disse em entrevista coletiva na semana passada que o estímulo incluirá a extensão dos programas de subsídios que visam promover viagens domésticas e ajudar as empresas a manter empregos para sustentar a economia atingida pelo vírus.

O primeiro pacote de políticas sob a administração de Suga, que assumiu o cargo em setembro, ocorre no momento em que o Japão vê um ressurgimento das infecções por coronavírus, com novos casos chegando a 2500 no final de novembro, aumentando a preocupação com a pressão sobre os sistemas médicos.

Como parte do pacote de estímulo, Suga também se comprometeu a estabelecer um fundo de 2 trilhões de ienes para empresas que trabalham no desenvolvimento de tecnologias verdes, à medida que o país busca atingir a neutralidade de carbono até 2050 e estimular o crescimento econômico.

O primeiro-ministro também disse que o governo gastará 1,5 trilhão de ienes em subsídios para prefeituras e municípios apoiarem financeiramente restaurantes que são forçados a reduzir o horário de funcionamento.

Mais de 1 trilhão de ienes será alocado para despesas relacionadas à digitalização, incluindo pesquisa e desenvolvimento de tecnologias de comunicação sem fio pós-5G para suportar redes de dados celulares, de acordo com Suga.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também