Governo do Japão faz versão ilustrada fofinha de isótopo radioativo que planeja despejar no mar

A tendência de longa data da sociedade japonesa de associar coisas fofas com piedade, mas algumas pessoas tomaram a ilustração como uma tentativa de enquadrar o isótopo radioativo de forma positiva

Governo do Japão faz versão ilustrada fofinha de isótopo radioativo que planeja despejar no mar
A Agência de Reconstrução removeu o vídeo de seu canal oficial do Youtube

Como braço do governo japonês encarregado de lidar com os efeitos do terremoto e tsunami de Tohoku em 2011, as responsabilidades da Agência de Reconstrução incluem manter as pessoas informadas sobre questões de saúde e segurança. Sendo muito normal que no Japão a criação de personagens fofinhos para campanhas de conscientização pública não surpreendam ninguém, a repercussão do novo “mascote” da Agência de Reconstrução deu o que falar.

Carinhas verdes fofinhas foram criadas para representar o trítio, um isótopo de hidrogênio radioativo. O vídeo e o panfleto foram divulgados no mesmo dia em que o governo japonês aprovou um plano para despejar no oceano as águas residuais tratadas da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, que ainda contém trítio. O apoio ao plano está longe de ser universal entre a população e grupos empresariais, como operações de pesca comercial. No entanto, os proponentes argumentam que a medida é necessária e inofensiva. 

A água irradiada na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi está sendo armazenada em tanques no local enquanto é tratada, com cerca de 1000 tanques atualmente em uso representando um volume de água que poderia encher o estádio esportivo Tokyo Dome. Projeta-se que todos os tanques de armazenamento do local ficarão cheios até o final de 2022 e a operadora TEPCO (Tokyo Electric Power Company) não está legalmente autorizada a construir contêineres de armazenamento fora do local.

A Agência de Reconstrução não deu um nome à ilustração ou tentou imbuí-la com qualquer traços de personalidade ou características cativantes além de sua aparência. “Nossa intenção principal é criar um senso de familiaridade [com a substância]”, disse um representante da agência. “Nosso objetivo era uma representação que não fosse ‘boa’ nem ‘ruim’, mas intermediária”. Como é de se esperar, nas redes sociais o personagem acabou recebendo o apelido de “Trítio-kun”.

Veja também

Assine nossa newsletter