Crianças que vivem em instituições infantis com raízes estrangeiras, geram problema social no Japão

O Ministério da Justiça relata que o número de crianças apátridas de até 4 anos está aumentando devido em parte ao aumento no número de trabalhadores estrangeiros no Japão

Crianças que vivem em instituições infantis com raízes estrangeiras, geram problema social no Japão

Quase 4% das crianças que vivem em lares para jovens em todo o Japão têm pelo menos um dos pais com raízes estrangeiras, forçando os membros da equipe a enfrentar questões para as quais não foram inicialmente treinados para lidar, mostra uma pesquisa do Asahi Shimbun. O Ministério do Bem-estar iniciou uma pesquisa nacional sobre crianças de ascendência estrangeira em instituições infantis no ano passado devido à falta de dados oficiais sobre o assunto.

No estudo do outono passado, o Asahi Shimbun enviou questionários a cerca de 600 lares para crianças órfãs, negligenciadas e abusadas, bem como cerca de 150 lares para bebês de até 1 ano de idade para averiguar os problemas que surgem devido à nacionalidade. As respostas válidas foram fornecidas por 60% das instalações. Kayoko Ishii, professora de sociologia da Universidade Rikkyo de Tóquio, ajudou a analisar as descobertas.

Verificou-se que 16.776 crianças estavam registradas em cerca de 450 dessas instituições em 1º de outubro. Desse número, ambos ou um dos pais de 637 crianças tinham nacionalidade estrangeira, representando 3,8% do total. Vinte e quatro das 637 crianças eram apátridas ou estavam no limbo em relação à sua nacionalidade. 

O estudo descobriu que havia mais de 30 casos desse tipo no passado. A proporção de crianças com ascendência mista foi maior nas instalações dos centros urbanos nas regiões de Kanto, Chubu e Kansai do que nas outras regiões.

O estudo revelou que o número de crianças de ascendência mista está aumentando, mesmo nas regiões locais. Uma instalação na região de Tohoku, no nordeste do Japão, respondeu que uma criança dessa categoria havia se tornado seu primeiro caso recentemente. Os entrevistados no estudo expressaram preocupações sobre sua capacidade de se comunicar com crianças com raízes no exterior.

“Como somos uma instalação pequena, não podemos atender às suas necessidades”, respondeu uma funcionária. “Algumas crianças têm dificuldade em se comunicar com os pais”, disse outro.

Crianças apátridas são obrigadas a obter o status de residente para permanecer no Japão, um procedimento com o qual os funcionários não estão acostumados a lidar. Várias instituições reclamaram do “processo problemático de renovação do status” e “funcionários públicos não muito prestativos em seus governos locais” no estudo.

Funcionários das instituições e centros de bem-estar infantil disseram que as crianças de ascendência estrangeira estão aumentando continuamente em conjunto com o aumento nos últimos anos de trabalhadores estrangeiros.

Um centro de bem-estar infantil em Tsu, província de Mie, disse que sua equipe deve responder em português e espanhol devido à grande comunidade de brasileiros e peruanos de ascendência japonesa na área.

Refletindo a crescente diversidade da população estrangeira, os funcionários também precisam de algum conhecimento de chinês e vietnamita para cuidar das crianças.

O estudo também descobriu que os membros da equipe precisam estar cientes das origens religiosas das crianças, uma questão citada pelo chefe de uma instalação na província de Mie. Algumas crianças só podem fazer refeições halal por motivos religiosos. “Preparar as refeições três vezes ao dia não é fácil no campo”, disse o chefe, relatando o que ouvira de funcionários de outras instalações.

Deixe uma resposta

Leia mais posts relacionados