Café Paulista em Ginza: a cafeteria mais antiga do Japão

A história da imigração japonesa tem uma relação estreita com o Café

Café Paulista em Ginza: a cafeteria mais antiga do Japão

O Café Paulista foi inaugurado em Ginza em 1911, tornando-se o café mais antigo ainda em atividade em Tóquio. O nome é sinônimo de autores e dramaturgos da era Taisho que costumavam frequentar o café, luminares como Akutagawa Ryūnosuke (1892-1927), Minakami Takitarō (1887-1940) e Yoshii Isamu (1886 -1960).

Originalmente, o Café Paulista estava instalado em um belo casarão branco. Não espere um edifício de 1911. Ele está em sua localização atual desde 1970 e passou por algumas reformas desde então.

O Paulista tem uma ligação estreita com o Brasil, e não apenas pelo nome (o paulista é paulista). O café foi fundado por Mizuno Ryo, um emigrado japonês que desempenhou um papel importante em ajudar os japoneses a emigrar para o Brasil nas primeiras décadas do século XX.

Uma vez lá, muitos emigrantes começaram a trabalhar como cafeicultores e trabalhadores braçais. Em agradecimento a Mizuno Ryo por sua contribuição para a emigração de japoneses para o Brasil, o governo brasileiro forneceu-lhe café gratuitamente. Para vendê-lo, ele decidiu abrir uma cafeteria em Ginza. Mizuno Ryo passou a abrir mais 23 cafés em todo o Japão, tornando o Café Paulista uma das primeiras redes de cafeterias do mundo.

Diz-se que o Café Paulista forneceu o modelo para os kisaten posteriormente construídos no Japão (喫茶店 lojas de chá e café), que proliferaram durante os anos de crescimento do pós-guerra e alcançaram seu apogeu nos anos 80, pouco antes de a economia estourar e o fluxo do Japão desaparecer.

O Café Paulista, como todos os kisaten , é um lugar para momentos de tranquilidade consigo mesmo, longe das pressões do ambiente de trabalho. Você pode vir aqui com um conhecido, é claro, mas deve tomar cuidado para não deixar sua conversa atrapalhar os outros clientes.

A meio da manhã, não tem muitos outros clientes, e o local está quase silencioso, a não ser pelo farfalhar de um jornal (disse que era antiquado) e o zumbido do ar condicionado.

O interior do Paulista deveria ser estrangeiro, com bancos de couro, esculturas de colhedores de café, painéis de madeira e flores em vasos, mas na verdade é muito japonês. Os assentos parecem datar do início dos anos 80, quando Tóquio era o centro do universo conhecido. Bege, marrom e ocre eram grandes naquela época. Fumar também estava, e é por isso que o teto tem a cor que tem.

Aparentemente, John Lennon e Yoko Ono vieram ao Café Paulista por três dias seguidos em algum momento dos anos 1970. Eu posso ver porque eles gostaram. O lustrador de móveis também era grande nos anos 80, então todas as superfícies da Paulista brilham à meia-luz, desde as molduras pseudoclássicas do teto às unidades de madeira de lei (folheado de fórmica sobre MDF). Na verdade, assim que você começa a perceber, você vê que tudo é falso, da seringueira ao lustre e ao leite.

Também posso ver por que a geração mais jovem opta por um Starbucks despojado, bem iluminado em vez de cadeias de kissaten tradicionais como Renoir, Doutor, Caffe Veloce e seu progenitor tonto, o Café Paulista. Mas é ótimo voltar de vez em quando para ver onde tudo começou.

Você encontrará o Café Paulista nos edifícios 1F e 2F Nagasaki Center, 8-9 Ginza, Chuo-ku, Tóquio. Funciona de segunda a sábado das 8h30 às 21h30 e aos domingos e feriados das 11h30 às 20h.

Deixe uma resposta

Leia mais posts relacionados