Ativistas protestam contra o ceticismo de legislador do Japão sobre as vítimas de crimes sexuais

Uma pesquisa do Gabinete do Governo em 2017 mostrou que uma em cada 20 pessoas no país foi coagida a ter relações sexuais, com a taxa de 7,8% para mulheres e 1,5% para homens. Um total de 56,1% das vítimas não contou a ninguém sobre isso

Ativistas protestam contra o ceticismo de legislador do Japão sobre as vítimas de crimes sexuais

Um grupo de ativistas contra a violência sexual apresentou uma petição com mais de 136 mil assinaturas à sede do partido governante do Japão como protesto contra os comentários de um legislador que afirmava que mulheres às vezes afirmam falsamente ser vítimas de crimes sexuais.

Mas o Partido Liberal Democrata (LDP) recusou-se a aceitar a petição apresentada pelos organizadores do movimento Flower Demo contra crimes sexuais em protesto contra os comentários de Mio Sugita, uma mulher membro do LDP na Câmara dos Representantes.

Sugita disse em uma reunião do partido no final do mês passado sobre um programa de assistência governamental para sobreviventes de violência sexual que “as mulheres podem contar mentiras o quanto quiserem”.

Depois de apresentar a petição, o grupo fez uma manifestação em frente à sede do LDP, alegando que o partido também tem responsabilidade na matéria por ter apoiado Sugita como candidata nas últimas eleições.