A lavagem de dinheiro eletrônico quase triplicou em 2019, diz a polícia do Japão

Com o aumento do número de serviços com dinheiro eletrônico, a quantidade de casos suspeitos surpreendeu até mesmo a polícia

A lavagem de dinheiro eletrônico quase triplicou em 2019, diz a polícia do Japão

Quase 4 mil casos de suspeita de lavagem de dinheiro, muitos dos quais ligados a provedores de transferência de dinheiro eletrônico, foram relatados à polícia em 2019, quase o triplo do número registrado no ano anterior, disse a Agência Nacional de Polícia (NPA). Os 3913 casos relatados por operadoras não bancárias de serviços de transferência de fundos se comparam a 1391 em 2018, com a agência atribuindo o aumento à rápida expansão dos serviços de pagamento de dinheiro eletrônico que permitem às pessoas fazer transferências com facilidade e com pequenas taxas de serviço.

A polícia está cada vez mais vigilante contra tais crimes, disse a agência, suspeitando que sindicatos do crime estão por trás da lavagem de dinheiro. Um relatório da NPA analisou um total de 6586 casos suspeitos de lavagem de dinheiro envolvendo serviços de dinheiro eletrônico entre 2017 e 2019, incluindo 1282 relatados em 2017. Do total, 904 envolveram várias transferências de dinheiro frequentes feitas para muitas contas após um grande depósito, e 581 casos envolveram transferências repetidas para o exterior feitas em um curto período de tempo.

Os serviços de dinheiro eletrônico têm sido cada vez mais usados ​​em atividades criminosas no país. Em setembro, a NTT Docomo Inc. disse que mais de 20 milhões de ienes (190 mil dólares) foram roubados de contas bancárias vinculadas a seu serviço de dinheiro eletrônico. Havia 58 dessas operadoras de serviços de transferência de fundos no Japão no ano fiscal até março de 2018, e o número subiu para 75 no ano fiscal de 2019, que durou até março deste ano.