A história do Daruma

A história do Daruma

Daruma é um boneco tradicional japonês, que se tornou um símbolo de perseverança e sorte. Mas fora do Japão, muitas pessoas não conhecem sua história, ou o que se esconde por trás de sua aparência curiosa

Imagine que você está visitando o Japão. Você tem mais alguns dias para viajar de volta para casa, e seus amigos e familiares pediram para você trazer lembranças. Você quer ser original, talvez evite o álcool habitual, chaveiros com fotos de pontos de referência famosos, ou os muito populares (com razão), KitKats.

Enquanto você caminha, você vê um boneco vermelho, fofo e redondo em uma das vitrines das lojas. Você se deparou com um dos itens japoneses mais emblemáticos que pode encontrar.

O Daruma é de fato um dos símbolos do Japão. Faz sentido levar para casa e entregá-lo como presente ou exibi-lo em uma prateleira, mas sua aparência pode ser enganadora, pois este boneco, representando uma divindade, tem uma longa história, uma rica herança e uma origem bastante interessante.

A lenda por trás do Daruma

O Daruma é inspirado no Bodhidharma, um monge credenciado com a fundação do budismo zen, que parece ter vivido entre os séculos V e VI DC.

Suas origens estão envoltas em mistério, e a maioria dos relatos que documentam sua vida são misturados com lendas, tornando o rastreamento da peregrinação de Bodhidharma das “Regiões Ocidentais” (possivelmente da Ásia Central) uma tarefa muito difícil.

Durante suas viagens, ele parou por um tempo em um mosteiro de Shaolin, na China, fundando a famosa arte marcial homônima. Ele então continuou sua jornada até que decidiu se estabelecer em uma caverna e meditar. É aqui que a história do Daruma (depois do nome japonês de Bodhidharma) começa.

A história do Daruma 1

Uma das lendas diz que o monge tornou-se um admirador de paredes. Ele meditou, olhando para uma parede, sentado durante nove anos, sem pausas, e sem fechar os olhos, exceto uma vez, depois de sete anos.

Ele ficou tão furioso consigo mesmo pelo que considerava falta de disciplina, que cortou as próprias pálpebras para impedir que dormisse novamente. Quando as pálpebras tocaram o chão, elas brotaram plantas de chá verde.

Essa lenda é uma das razões por trás dos monges budistas que costumam beber chá verde para ficar acordados.

Além da automutilação, Bodhidharma também sofreu a perda de seus braços e pernas (de acordo com algumas lendas que caíram de seu corpo) como consequência de sua imobilidade por nove anos.

Arte e folclore representando Bodhidharma mostram quase exclusivamente essas características, e é por isso que os bonecos Daruma, em todos os seus aspectos, simbolizam a posição e os recursos de Bodhidharma.

Além disso, tudo no design do Daruma tem raízes e significados profundos, até os mínimos detalhes, tornando o boneco muito mais do que um simples item doméstico.

Recursos do Daruma

Olhos: uma das características mais notáveis ​​do Daruma é o seu olhar em branco. Esses bonecos não têm pupilas, mas apresentam grandes círculos brancos onde os olhos estariam. Uma das teorias por trás dessa escolha no design, está ligada à lenda de Bodhidharma, que remove suas próprias pálpebras.

A história do Daruma 2

Uma crença sugere que aqueles que queriam que o monge os ajudasse a alcançar seus objetivos, jurariam que dariam a Daruma sua visão se o “santo” os ajudasse a ter sucesso em seus empreendimentos.

Pelos faciais: a barba e as sobrancelhas pintadas no Daruma, destinam-se a reproduzir as características faciais do Bodhidharma, mas elas não servem apenas para fins estéticos.

De fato, as sobrancelhas são modeladas para parecer Grous-da-manchúria e a barba, como tartarugas. Esses dois animais geralmente representam longevidade na cultura japonesa (assim como no resto do leste asiático). Os artesãos começaram a aplicar essas formas no Daruma para combinar com o provérbio japonês “O Grou-da-manchúria vive 1000 anos, a tartaruga 10.000”.

Corpo: o Daruma não apresenta pernas ou braços, como um lembrete de Bodhidharma perder seus membros em sua busca para alcançar a iluminação através do sacrifício próprio e da meditação, mas há mais.

Os bonecos originais foram projetados para serem impossíveis de tombar. Incliná-los sempre resultaria no Daruma voltando à posição vertical. O Daruma é um talismã da sorte, mas mais importante ainda: perseverança.

Alguém que pede ajuda desse “santo”, reconhece a importância do sacrifício diante das adversidades.

Por esse motivo, o Daruma serve como um lembrete: não importa quantas vezes alguém possa ser derrubado, é preciso sempre suportar e se afastar para alcançar um objetivo.

Fortemente conectada a essa ideologia e ao próprio Daruma, está a expressão japonesa 七転び八起き (nanakorobi yaoki), que se traduz – “sete vezes caído, oito vezes levantado”.

Ideogramas como (sorte) e 必勝 (vitória), ou outras similares são algumas vezes escritos no meio do Daruma, provavelmente como um reflexo do motivo pelo qual o item foi adquirido. Além disso, às vezes, as pessoas escrevem seu desejo ou objetivo na próprio boneco, talvez para lembrar a si mesmas ou informar de uma maneira mais “oficial”.

A história do Daruma 3

Cor: as razões por trás da escolha da cor do Daruma são interessantes, mas complicadas e difíceis de encontrar consenso. Hoje em dia podemos encontrar os bonecos decorados em todos os tipos de cores, cada uma delas significando um auspício diferente. Por exemplo, no Japão, a cor ouro está ligada ao dinheiro e à fama; o preto serve para afastar a má sorte; verde simboliza saúde e fitness.

No entanto, essas associações de tema de cores são extraídas de uma infinidade de crenças, superstições e lendas diferentes, todas reunidas para formar uma imagem coletiva.

Uma coisa que é certa, porém, é que até hoje a cor mais comum usada para o Daruma é o vermelho, e originalmente era a única cor. Durante séculos, os estudiosos tentaram entender a motivação por trás dessa escolha de cores, mas ainda hoje isso se mostra difícil.

Uma das razões pode estar relacionada a Bodhidharma, que, dada sua origem budista, pode ter usado túnicas vermelhas. Da mesma forma, os monges hoje usam roupas da mesma cor.

Outras teorias se referem aos poderes sobrenaturais da cor vermelha e sua conexão com os deuses. Além das lendas já muito sombrias que cercam o Daruma, sua cor básica pode ter se originado de um período de devastadores surtos de varíola em toda a Ásia.

A história do Daruma 4

No Japão e em outros lugares, sem saber como se defender de uma “maldição” enviada por um deus vingativo, as pessoas começaram a usar roupas vermelhas, pensando que essa cor agradava o deus da varíola e teria ajudado a revogar a doença. Da mesma forma, as pessoas decoravam suas portas e casas com cordas vermelhas, na tentativa de impedir que a doença acessasse suas casas.

No entanto, essa teoria não explicaria por que, muitas vezes, as vítimas de varíola seriam embrulhadas enquanto doentes e na morte, com cortinas vermelhas, como retratado no livro Naufrágio de Akira Yoshimura.

Segundo algumas pesquisas, algumas pessoas acreditavam que o deus da varíola não gostava da cor vermelha. Ele odiava tanto, de fato, que as pessoas acreditavam que ele poderia transferir a maldição com a qual afligia as pessoas, da vítima para a cortina pintada com o que para ele era um tom tão irritante.

Como Daruma mudou ao longo do tempo

A história do Daruma remonta ao século XVII. Foram os agricultores locais da cidade de Takasaki, na prefeitura de Gunma, que criaram a primeira versão desses bonecos, como encantos a serem abençoados pelos monges. Como o sustento dos agricultores dependia muito da sorte, eles inventaram esse truque supersticioso para ajudá-los na colheita.

A história do Daruma 5

No período de algumas décadas, a prática do uso do Daruma se espalhou por profissões e regiões. Como costuma ser tradição, a história e a origem do Daruma não têm o mesmo peso que costumavam. Suas cores não são a única coisa que mudou. Uma das maiores mudanças que ocorreu é a de sua representação como bonecas femininas, as chamadas Princesas Daruma e Lady Daruma.

Nos tempos modernos e contemporâneos, o Daruma se tornou uma lembrança, um item de exibição e um presente fofo. No entanto, não perdeu completamente seu poder original no imaginário coletivo.

Embora não seja comum encontrar pessoas que conhecem toda a história por trás desse amuleto de boa sorte, o Daruma é frequentemente comprado para ajudar a alcançar os objetivos.

Como usar o Daruma

Se a história sombria e as lendas por trás do Daruma ainda não o assustaram, você pode aprender exatamente como usar esse talismã, se acredita que ele pode ajudá-lo. Seu apelo é que seu “poder” é uma mistura de sobrenatural e psicológico.

Como mencionado anteriormente, na compra, o boneco está sem os olhos. O que você faz é pintar um olho em um dos círculos brancos, enquanto se compromete com seu objetivo e pede ajuda ao Daruma. O segundo olho será preenchido, assim que o objetivo for atingido. Devolvendo então, a visão do monge como forma de agradecimento.

A história do Daruma 6

Um ano após a compra do Daruma, você deve devolvê-lo ao templo de onde o obteve e queimá-lo, independentemente de ter conseguido o que desejava. Existe até uma cerimônia chamada どんど焼き (dondoyaki) em vários templos em todo o Japão, durante o qual enormes pilhas de Daruma são queimadas ao mesmo tempo.

Originalmente, acreditava-se que o efeito benéfico da boneco expirasse após um ano. Após esse período de tempo, o amuleto precisou ser queimada para libertar o deus. Esse processo não deve ser interpretado como desistir dos objetivos. Pelo contrário, é imaginado como uma renovação do voto de alguém (e o compromisso de comprar outro Daruma).

A produção dos Daruma

A produção dos bonecos é feita por uma empresa quase exclusiva da cidade de Takasaki, na província de Gunma (norte de Tóquio). A cidade produz mais de 80% de todos os bonecos distribuídos no Japão. A partir daqui, as bonecas chegam a todos os cantos do país e podem ser compradas em todas as cidades (ou on-line através de muitos sites – incluindo a Amazon).

Os Daruma são criados com um tipo especial de papel machê feito à mão chamado 和紙(washi).

A produção de washi é muito trabalhosa e é considerada, no Japão, uma arte própria.

Todos os Daruma são feitos à mão e pintados à mão, portanto, não existem dois bonecos com o mesmo design.

Daruma na cultura japonesa moderna

Muito parecido com os agricultores (e mais tarde com todos os tipos de negócios) no passado, não é incomum, ainda hoje, ver um Daruma decorando um restaurante, uma loja ou uma casa. Seu tamanho também pode dar uma idéia da magnitude do desejo de uma pessoa, pois acredita-se que quanto maior a amuleto, maior a aspiração da pessoa que a adquiriu.

O uso de Daruma, no entanto, não se limita aos negócios ou a algumas famílias particulares. A representação do monge ganhou, ao longo dos séculos, um lugar tão privilegiado na cultura japonesa, que tende a aparecer em várias situações e locais.

A6 - Bárbara Taira

Os políticos, por exemplo, costumam levar consigo seus próprios bonecos durante entrevistas e discursos, principalmente durante o período eleitoral.

Como todo mundo que obtém um Daruma, eles têm um desejo e se comprometem a retribuir o deus com uma visão, caso ele o conceda. Indiscutivelmente, isso também mergulha em uma crença cultural no Japão, através da qual um político pode estar demonstrando sua determinação e compromisso com o país e seu povo através do simbolismo incorporado ao Daruma.

Embora o Japão possua uma cultura muito interessante e seja muito rico em simbolismo e tradições, poucas outras imagens do país podem ter uma origem e significado igualmente multifacetados e misteriosos, tão profundamente enraizados na sociedade.