A dependência excessiva de desinfetantes para as mãos poderia aumentar o risco de infecção por coronavírus?

O uso excessivo de desinfetantes à base de álcool e a lavagem das mãos pode remover a “flora bacteriana normal” que reveste a pele e evita a invasão de agentes patogênicos, como no caso do norovírus

A dependência excessiva de desinfetantes para as mãos poderia aumentar o risco de infecção por coronavírus?

Especialistas médicos começaram a alertar que o uso excessivo de desinfetantes para as mãos à base de álcool, como medida de proteção contra um novo ataque de coronavírus na China, pode aumentar inversamente o risco de infecção por doenças da pele.

Lavar as mãos com sabão muitas vezes, na tentativa de não contrair o novo vírus causador de pneumonia, também pode ter um efeito adverso, uma vez que pode desgastar a pele, enfraquecendo sua capacidade de funcionar como uma barreira para manter a umidade e os agentes nocivos afastados.

O álcool, conhecido por ter propriedades desinfetantes, tem sido usado para manter as mãos livres de bactérias e vírus, porém a desinfecção com álcool priva a pele de óleo e água e pode resultar em pele seca e danificada, podendo se tornar um foco de bactérias causadoras de doenças

“É claro que é necessário lavar as mãos e usar desinfetantes para as mãos à base de álcool, a fim de reduzir a transmissão do novo vírus, mas exagerar em nada não é bom”, disse uma porta-voz da Kao Corp.

N58 - 28-02-2020
Foto: Kyodo News