Yakuza é oficialmente proibida pelo governo japonês de dar doces para crianças no Halloween

As crianças de Kobe, acostumadas a receberem doces da Yakuza, precisarão encontrar um novo lugar para fazer suas travessuras de Halloween

Yakuza é oficialmente proibida pelo governo japonês de dar doces para crianças no Halloween

O Halloween tem crescido constantemente em popularidade no Japão nos últimos anos, com o país adotando vários costumes de celebração em etapas. Primeiro veio o cosplay, depois as decorações pela cidade e os doces por tempo limitado. As travessuras ou gostosuras, no entanto, é algo que você só encontrará em lugares limitados, geralmente realizados durante o dia em ruas de compras de bairro ou shopping centers … ou, curiosamente, na sede do Yamaguchi-gumi, um dos japoneses maiores clãs da Yakuza.

A organização criminosa tem distribuído doces no Halloween na sua sede de Kobe desde 2013, acenando para as crianças entrarem nos portões e entrarem em seu complexo com gritos de “Feliz Halloween!” e “Entre e pegue seu doce!” No entanto, as crianças locais com uma queda por doces terão que obter sua dose em outro lugar este ano, já que o Yamaguchi-gumi agora está legalmente proibido de dar doces para doces ou travessuras.

Esta semana, a Assembleia da Prefeitura de Hyogo, província de onde Kobe faz parte, votou com unanimidade pela revisão das Ordenações de Exclusão do Crime Organizado, acrescentando disposições que tornam ilegal para uma organização criminosa dar presentes (monetários ou não) a menores, convidando-os a os fundamentos de suas instalações, ou corresponder com eles . As exceções são feitas por “razões legitimamente justificáveis”, mas distribuir lanches em uma tentativa descarada de agradar as crianças não é suficiente, dizem os legisladores.

A revisão, que entra em vigor no dia 26 de outubro, foi inicialmente apresentada para discussão em julho e ocorre após o aumento dos níveis de violência de gangues em Hyogo desde o outono do ano passado. Embora a província de Kanagawa tenha uma lei semelhante em vigor, Hyogo é o primeiro no Japão a definir punições específicas, com reincidentes que podem pegar até seis meses de prisão ou uma multa de até 500 mil ienes.