Pior recessão econômica do Japão no pós-guerra pode forçar novo líder a impulsionar estímulos

Pior recessão econômica do Japão no pós-guerra pode forçar novo líder a impulsionar estímulos

Os desafios que o novo primeiro-ministro japonês tem pela frente são enormes. O dilema entre saúde e economia farão o novo líder ousar?

A economia do Japão afundou ainda mais em sua pior contração do pós-guerra no segundo trimestre, à medida que o coronavírus sacudiu os negócios mais do que se pensava inicialmente, destacando a difícil tarefa que o novo primeiro-ministro enfrenta para evitar uma recessão mais acentuada.

Outros dados colocam esse desafio em perspectiva, com os gastos das famílias e os salários caindo em julho, já que o impacto da pandemia manteve o consumo frágil, mesmo depois que as medidas de bloqueio foram suspensas em maio.

A terceira maior economia do mundo encolheu 28,1% anualizados em abril-junho, mais do que uma leitura preliminar de uma contração de 27,8%, dados revisados ​​do produto interno bruto (PIB) mostraram na terça-feira, sofrendo sua pior contração do pós-guerra.

Os dados colocarão o novo primeiro-ministro, a ser eleito em uma corrida pela liderança do partido no poder em 14 de setembro, sob pressão para tomar medidas de apoio econômico mais ousadas.

O secretário-chefe de gabinete, Yoshihide Suga, o favorito a se tornar o próximo primeiro-ministro, sinalizou que está pronto para aumentar os gastos se for para liderar o país.

“O risco à frente é que o efeito das medidas tomadas até agora, como os pagamentos às famílias, se extinga”, disse Koichi Fujishiro, economista do Dai-ichi Life Research Institute.

“Se o COVID-19 pesar muito sobre os salários, a nova administração poderia tomar medidas adicionais para ajudar as famílias.”

O governo revelou até agora um pacote de 2 trilhões de dólares em medidas de estímulo, somando-se a um programa aprimorado de flexibilização do Banco do Japão (BOJ).

O principal culpado por trás da revisão para baixo do PIB de terça-feira foi uma queda de 4,7% nas despesas de capital, muito maior do que uma queda preliminar de 1,5%, sugerindo que a pandemia estava atingindo setores mais amplos da economia.

“Não podemos esperar que as despesas de capital se fortaleçam muito à frente. As empresas não vão aumentar os gastos quando as perspectivas são tão incertas”, disse Hiroshi Miyazaki, economista sênior da Mitsubishi UFJ Morgan Stanley Securities.

A economia do Japão deu alguns sinais de vida após sofrer três trimestres consecutivos de contração, com a produção industrial crescendo em julho no ritmo mais rápido já registrado, graças à recuperação da demanda por automóveis.

No entanto, dados separados na terça-feira sugeriram que qualquer recuperação provavelmente será modesta, já que os gastos das famílias caíram 7,6% acima do esperado em julho no comparativo anual, enquanto os salários reais caíram pelo quinto mês consecutivo, apontando para mais pressão sobre os gastos do consumidor.

Amplo impacto

A crise da saúde devastou uma ampla gama de setores, com empresas como a montadora Honda Motor Co prevendo uma redução de 68% no lucro operacional anual.

Analistas ouvidos pela Reuters em agosto disseram esperar que a economia encolha 5,6% no atual ano fiscal até março próximo, e cresça apenas 3,3% no ano seguinte.

O novo lote de dados estará entre os fatores que o BOJ irá examinar em sua revisão das taxas na próxima semana, quando é amplamente esperado que mantenha as configurações monetárias inalteradas.

O banco central facilitou a política duas vezes este ano para injetar dinheiro em pequenas empresas com problemas de caixa, complementando dois grandes pacotes de gastos do governo.

Espera-se que o BOJ adie o estímulo por enquanto, já que medidas para estimular a demanda podem fazer com que as pessoas entrem mais livremente nas lojas e corram o risco de espalhar o vírus.

O clima de negócios global e doméstico fez com que muitos observadores do Japão previssem um longo e acidentado caminho para retornar a economia aos níveis anteriores ao COVID.

“Provavelmente levará muito tempo para que a economia se normalize e volte aos níveis anteriores à pandemia”, disse Yoshiki Shinke, economista-chefe do Dai-ichi Life Research Institute.