Pela primeira vez, centenários chegam aos 80 mil no Japão

O número de pessoas com 100 anos ou mais ultrapassou 80 mil pela primeira vez, em meio ao rápido envelhecimento da população do país, mostraram dados do governo

Pela primeira vez, centenários chegam aos 80 mil no Japão

O número de centenários subiu 9176 em relação ao ano anterior, quebrando a barreira dos 80 mil (80450), pelo 50º aumento anual consecutivo, com as mulheres respondendo por 88,2% do total, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Previdência.

Centenários marcaram o maior aumento anual, com o número de homens crescendo 1011 em relação ao ano passado, para 9475 e as mulheres de 8165, chegando a 70975, conforme mostrou a contagem. O ministério estimou os números com base nos dados do registro de residentes antes do feriado do Dia do Respeito ao Idoso, que cai na próxima segunda-feira.

Quando a pesquisa começou em 1963, o número de centenários eram de 153, mas superou 1000 em 1981 e ultrapassou 10 mil em 1998, principalmente devido aos avanços na tecnologia médica. A expectativa de vida média do Japão era de 87,45 para mulheres e 81,41 para homens em 2019, ambos recordes, segundo dados do ministério da saúde divulgados em julho deste ano.

Kane Tanaka, uma moradora de 117 anos de Fukuoka, sudoeste do Japão, é a mulher japonesa mais velha. Ela foi reconhecida como a pessoa viva mais velha do mundo pelo Guinness World Records. Mikizo Ueda, um morador de 110 anos de Nara, oeste do Japão, é o japonês mais velho. Por província, Shimane no oeste do Japão tem o maior número de centenários por 100 mil habitantes pelo oitavo ano consecutivo, com 127,60, seguido por Kochi e Tottori com 119,77 e 109,89, respectivamente.