Nascimentos no Japão em janeiro despencam 14,6% em meio à pandemia

Algumas estimativas mostram que a tendência de adiar o parto pode levar o número deste ano para menos de 800 mil nascimentos

Nascimentos no Japão em janeiro despencam 14,6% em meio à pandemia

Os nascimentos no Japão despencaram 14,6% em relação ao ano anterior para 63.742 em janeiro, a maior queda desde 2000, de acordo com o Ministério da Saúde. Os números preliminares de recém-nascidos divulgados pelo ministério incluem o número de estrangeiros nascidos no país e de japoneses nascidos no exterior. Os números mais recentes refletem a tendência de adiar a gravidez em meio à pandemia de COVID-19, levantando preocupações sobre uma nova queda na taxa de natalidade.

O número de nascimentos em janeiro caiu em 10.930 dos 74.672 registrados um ano atrás. A queda de 14,6% marcou o maior declínio ano a ano desde o início da pandemia, quebrando o recorde anterior de 9,7% registrado em maio do ano passado. Em 2020, o número de recém-nascidos no ano caiu 2,9% em relação ao ano anterior, mas o número do primeiro mês deste ano caiu ainda mais.

“O número de relatórios de gravidez começou a cair drasticamente em maio do ano passado”, disse um funcionário do ministério. “Isso pode explicar o declínio nos nascimentos em janeiro, quando mulheres que estavam grávidas naquela época deram à luz seus filhos.” Mulheres notificam os municípios locais após saberem de suas gestações. Mais de 90% das mulheres relatam a gravidez até a 11ª semana após a concepção, de acordo com o ministério.

O número de relatos de gravidez despencou 17,6% em relação ao mesmo mês do ano anterior, em maio de 2020, um mês depois que o governo decretou o primeiro Estado de Emergência do país sobre a pandemia. O declínio mensal homólogo continuou até outubro desse ano.