Monges japoneses querem criar um templo no espaço

Com base de um templo em Quioto de 1.100 anos, o templo espacial mostra que os monges vislumbram muito mais além

Monges japoneses querem criar um templo no espaço

De muitas maneiras, o Daigoji de Quioto é um templo japonês por excelência. Localizado no bairro de Fushimi, foi fundado em 874 e apresenta elementos clássicos como um altar Benten no meio de uma lagoa e um pagode de cinco andares, que é uma das estruturas mais antigas da cidade e considerada um tesouro nacional pelo governo japonês. O status do Daigoji como Patrimônio Mundial da UNESCO não significa que ele esteja preso ao passado, e para sua mais nova iniciativa, a instituição com mais de 1.100 anos está rumando para o espaço sideral.

O Daigoji estabelecerá um novo templo com a ajuda da Terra Space, uma empresa de pesquisa e desenvolvimento de satélites com sede em Quioto. O templo espacial dividirá espaço com um satélite de comunicações IoT, com cerca de metade de seu espaço interno dedicado a transportar imagens budistas, uma mandala e outros itens religiosos em órbita baixa, circulando a Terra uma vez a cada 90 minutos a uma altitude de cerca de 450 quilômetros.

O novo templo será chamado de Jotenin Gounji , com joten significando “céu puro” e os caracteres kanji para goun relacionados aos conceitos budistas sobre o fluxo do tempo e a existência da humanidade (in e ji indicam um templo). No dia 8 de fevereiro, Daigoji realizou sua primeira “cerimônia de oração espacial”, orando por paz e segurança enquanto a humanidade continua a se mover além dos limites da terra. As futuras iterações apresentarão imagens transmitidas do satélite Jotenin Gounji, que está projetado para ser lançado em órbita em 2023.