Japão se prepara para a criação de uma nova geração de aviões de combate

Uma parceria envolvendo outros dois países, levará o Japão a concepção de novos aviões de combate, que substituirão os atuais caças F-2

Japão se prepara para a criação de uma nova geração de aviões de combate

O Japão pretende começar a desenvolver um protótipo de um novo jato de combate para o ano fiscal de 2024 com implantação no ano fiscal de 2035, quando começará a aposentadoria dos atuais F-2.

Altos funcionários do Ministério da Defesa disseram aos legisladores do governo que o ministério escolheria um país parceiro até o final do ano, de acordo com as fontes.

O governo inicialmente inclinou-se a ter os Estados Unidos como seu parceiro de desenvolvimento para garantir a interoperabilidade, uma vez que o desenvolvimento da aeronave existente do Força de Autodefesa Aérea (ASDF) foi liderado por Washington.

Japão se prepara para a criação de uma nova geração de aviões de combate 1
O F-2 é derivado do jato de combate F-16 dos EUA, construído pela gigante de defesa Lockheed Martin Corp. e pela empresa de engenharia japonesa Mitsubishi Heavy Industries Ltd. para a ASDF

A parceria com o Reino Unido

Fontes confiáveis haviam dito que a possibilidade de uma tripla parceria existia. O Reino Unido foi um pioneiro em poder aéreo por mais de 100 anos. Demonstrando de maneira consistente uma habilidade em invenção e inovação, incluindo o motor turbo em 1941 e o primeiro caça vertical de decolagem e pouso, o Harrier.

A experiência técnica e industrial colocou o país no centro de colaborações internacionais de sucesso, incluindo o Harrier, Tornado, Typhoon e o F-35. O programa Future Combat Air do Reino Unido está trabalhando para definir e entregar o Tempest, um futuro sistema de combate aéreo para quando o RAF Typhoon deixar o serviço em 2040.

A confirmação de uma parceria tripla

Ao invés de escolher apenas um parceiro, o Japão confirmou sua decisão de desenvolver o novo jato de combate em conjunto com os Estados Unidos e o Reino Unido, disseram fontes do governo.

Ao fazer parceria com os dois países, o governo japonês espera evitar que um país exerça influência excessiva no programa de desenvolvimento, garantindo a interoperabilidade, confiabilidade e eficiência de custos.

A Lockheed Martin Corp, fabricante do jato stealth F-35, se juntará a um projeto liderado pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI) para construir um novo avião de combate que a Força Aérea do Japão deverá colocar em campo em meados da década de 2030.

A participação da Lockheed como parceira júnior no desenvolvimento era esperada depois que ela propôs anteriormente um projeto híbrido baseado em seus jatos F-35 e F-22. O Ministério da Defesa do Japão concedeu à MHI o papel principal em outubro.

O novo caça, conhecido como F-3 ou FX e deve custar cerca de 40 bilhões de dólares, substituindo o F-2 japonês, que foi desenvolvido em conjunto pela MHI e a Lockheed há mais de duas décadas. O Japão comunicou que anunciará os nomes das empresas estrangeiras convidadas a aderir ao projeto antes do final do ano.

As empresas que manifestaram interesse em participar incluem a construtora Boeing Co e a Northrop Grumman Corp dos Estados Unidos, F-18 Super Hornet, bem como a britânica BAE Systems Plc e a Rolls Royce Holdings Plc.