Japão luta para servir comida de Fukushima nos Jogos Olímpicos de 2020

O Comitê Olímpico Internacional disse que ainda está avaliando como lidar com o assunto

Japão luta para servir comida de Fukushima nos Jogos Olímpicos de 2020

Durante anos, o governo do Japão tentou convencer os consumidores de que os alimentos de Fukushima são seguros, apesar do desastre nuclear. Mas servirá os produtos da região nos Jogos Olímpicos de Tóquio?

É um assunto dá dor de cabeça para as autoridades. Eles lançaram os Jogos, em parte, como uma chance de mostrar ao mundo a recuperação das áreas afetadas pelo tsunami de 2011 e pelo desastre nuclear.

E as autoridades dizem que os números falam por si. O Japão permite um máximo de 100 becquerels de radioatividade por césio por quilograma (Bq / kg). A União Européia, em comparação, estabelece esse nível em 1.250 Bq / kg e os EUA em 1.200.

De abril de 2018 a março deste ano, foram examinados 9,21 milhões de sacos de arroz, nenhum deles excedendo o limite japonês. O mesmo vale para 2.455 amostras de frutas e legumes, 4.336 pedaços de carne e 6.187 peixes oceânicos.

O Comitê Olímpico Internacional disse que ainda está avaliando como lidar com o assunto.